Resenha | Exorcismos, Amores e uma Dose de Blues – Eric Novello

Capa ExorcismosTÍTULO: Exorcismos, Amores e uma Dose de Blues
AUTOR: Eric Novello
EDITORA: Gutenberg
PÁGINAS: 336
COMPRAR: Saraiva | Submarino

 

 My happy little pill | Take me away, dry my eyes | Bring color to my skies
My sweet little pill | Take my hunger, lie within | Numb my skin


Narrativas superficiais, personagens sem personalidade e histórias clichês são alguns dos grandes problemas que assolam a literatura atualmente.
Livros onde o autor não gera emoção no leitor e faz a leitura ser só mais um passatempo chato para desocupados parecem se multiplicar como Gremlins.

Há um bom tempo eu estava bem desanimado para começar a ler qualquer livro por esses e outros diversos motivos. Tudo parecia ser o mesmo miojo sem tempero, feito em três minutos só pra dar uma enganada na fome.
Mas em meio a esse mundo de histórias mal escritas, ler o Exorcismo foi uma surpresa maravilhosa. Enquanto a maioria dos livros demora em torno de 20, 30, 50 ou até 100 páginas para se tornar realmente interessante, isso quando se torna, o autor conseguiu na primeira página chamar minha atenção. Ao invés de me deparar com um miojinho sem sal, parecia que eu havia sentado em uma mesa de banquete, repleta de fartura, com os mais diversos tipos de texturas e sabores. Continuar lendo

Anúncios

#Resenha + #VídeoResenha | A Possessão do Sr. Cave

a-possessao-do-sr-caveTÍTULO: A POSSESSÃO DO SR. CAVE

AUTOR: MATT HAIG

TÍTULO ORIGINAL: THE POSSESSION OF MR CAVE

EDITORA: RECORD

PÁGINAS: 272

SKOOB

COMPRE JÁ


Apesar de todos os indícios, este não é um livro com exorcismo e cabeças girando 360 graus. Ele fala de morte e de como o luto pode mudar a mente daqueles que estão sob este processo natural da vida.

A escrita é feita em forma de carta por Terecence Cave desde o momento em que perde seu filho Reuben, irmão gêmeo de Briony. Quando uma mulher perde o esposo é chamada de viúva, quando um filho perde os pais é chamado de órfão, mas quando Terence perde seu filho, vítima de bulliyng, não há nomenclatura.

O Sr. Cave já é viúvo e agora a única coisa que lhe resta no mundo é Bryony, uma jovem dotada de dom musical; Que a qualquer custo será protegida por seu pai. É aí que reside a trama principal, a superproteção.

A escolha do sobrenome do personagem, caverna em inglês, deixa bem claro que Terence está vazio e ao longo da trama vai se enchendo de medo e do desejo de controlar a vida da filha em todos os aspectos possíveis. Como criar algo sem saber tudo sobre a criatura? Esse é o peso sobre as costas de Terence que vai sendo jogado sem medida para o leitor.

A possessão do título refere-se tanto à loucura que vai tomando conta das atitudes do Sr. Cave quanto dos flashes que ele vai tendo da vida do filho falecido. Vale dizer que isso não é spoiler, já que o suspense da trama está na tentativa de descobrir se é real ou está acontecendo dentro da mente perturbada de nosso personagem, não pude deixar de lembrar Outra volta do parafuso de Henry James.

O clima do livro é cinzento, assim como a Inglaterra e a maioria dos dramas envolvendo perda, e aqui aproveito para indicar outras duas obras que tocam esse assunto: Precisamos falar sobre o Kevin e Mathilda Savitch.

É um livro de terror. Terror de coisas possíveis que podem chegar para qualquer ser humano vivo.

E Não deixem de conferir a minha vídeo resenha do livro. (Ótima para quem queria saber como eu sou ao vivo e em cores.)

#Resenha| Procura-se um Marido

Procura-se um maridoTÍTULO: PROCURA-SE UM MARIDO

AUTORA: CARINA RISSI

EDITORA: VERUS

PÁGINAS:

SKOOB

FACEBOOK

COMPRAR


Uma joia deliciosa de se ler, fluente e brilhante que prende você do inicio ao fim.

Desde seu lançamento, fiquei muito curiosa para ler esse livro, seu gênero e tipo de escrita está sempre entre os meus favoritos. Primeiro livro da autora Carina Rissi chama-se “Perdida”, que estourou na internet e se tornou best-seller até na Alemanha e agora com sua segunda obra,  “Procura-se um Marido” provou que veio pra ficar e conquistar.

O livro traz a história de Alicia, garota aventureira, que só pensa em curtir a vida em viagens, festas e baladas. É herdeira de uma das maiores fortunas do mundo. Ela é neta do vô Narciso, carinhosamente chamado assim por ela, patriarca da família “Moraes de Bragança e Lima”. Com a morte precoce de seus pais quando tinha cinco anos, ela foi viver com seu avô que assumiu sua criação.

Porém com a morte do seu avô sua vida muda completamente, pois para  Alicia receber toda sua fortuna como é de direito, ela vai ter que obedecer uma pequena cláusula do testamento de seu avô, que diz que ela vai ter que trabalhar, vivendo de seu salário apenas, assumindo suas responsabilidades, maturidade e “casando-se”. Completamente perdida e sem chão ela a principio não sabe como agir e o que fazer, mas aí ela tem uma ideia genial: Alugar um marido. A partir daí começa a grande aventura de Alicia,  onde ela tem que aprender a viver num mundo totalmente diferente do seu e que surpreende não só a ela, mas como a todos que tem capacidade. força e muito talento.

Carina Rissi é uma autora fantástica, por que nos trouxe uma leitura deliciosa, fácil, leve, divertida e apaixonante, elementos que particularmente pra mim  são fundamentais para que esse tipo de romance flua e não se torne muito clichê, por tanto me conquistou pra valer!!!

Então torno a repetir, é uma joia deliciosa de se ler, fluente e brilhante que prende você do inicio ao fim comprovando que Rissi veio pra ficar, RECOMENDADÍSSIMO!!!!!

Beijos e até a próxima…<3

#Resenha | Sob a Redoma

Sob a RedomaTÍTULO: SOB A REDOMA

AUTOR: STEPHEN KING

TÍTULO ORIGINAL: UNDER THE DOME

PÁGINAS: 960

EDITORA: SUMA DE LETRAS

SKOOB

COMPRE


O Big Brother de Stephen King…

King dispensa apresentações, autor de diversos sucessos e figura obrigatória nas prateleiras dos leitores mais ávidos, o mestre em gerar medo e criar mitos já é uma lenda vida. Em seu último romance lançado no Brasil, Stephen mostra que muitas vezes o ser humano é mais assombroso que o sobrenatural. E é esse o grande barato de Sob A Redoma.

Stephen King

O Autor

Na trama, em um dia como outro qualquer em Chester’s Mill, no Maine, a pequena cidade é subitamente isolada do resto do mundo por um campo de força invisível. Aviões explodem quando tentam atravessá-lo e pessoas trabalhando em cidades vizinhas são separadas de suas famílias. Ninguém consegue entender o que é esta barreira, de onde ela veio e quando — ou se — ela irá desaparecer.

A forma como os moradores da cidade lidam com essa chamada “crise” é o tema central do livro. O confinamento faz os medos, receios, defeitos e passados se emergirem ao extremo ao tentar lidar com a situação, diretrizes e regras impostas pelo espaço.
O que vemos é uma interessante análise do poder, cheia de claras críticas ao governo Bush. Uma potente reflexão sobre as ações humanas. E uma narrativa que beira a perfeição, com ótimos personagens.

A leitura de Sob a Redoma é muito gostosa porque é ágil. A fagulha que dá origem ao caos total vai se desenrolando aos nossos olhos até chegar ao ápice. É como um reality show, mas sem o chato do Pedro Bial.

Curiosidade: Já está confirmada uma série produzida pelo canal americano CBS, com 13 episódios confirmados e estréia prevista para 24 de junho, ainda deste ano.

#Resenha | O Lado Bom Da Vida

O Lado Bom Da VidaTÍTULO: O LADO BOM DA VIDA

AUTOR: MATTHEW QUICK

TÍTULO ORIGINAL: SILVER LININGS PLAYBOOK

EDITORA: INTRÍNSECA

PÁGINAS: 256

SKOOB


Toda a obra desperta sentimentos positivos em você…

É interessante começar a resenha ressaltando o quão seletiva é a editora Intrínseca, que vêem trazendo para o mercado nacional grandes e curiosos títulos como A culpa é das estrelas, Os deixados para trás, Mathilda Savitch, o estrondoso sucesso Cinqüenta tons de cinza, e ,é claro, O Lado bom Da vida.

O lado bom da vida (Ótimo e inteligente título nacional) conta a história de Pat Peoples, um homem que acabou de sair de uma clínica psiquiátrica e acredita que finalmente vai conseguir voltar para sua esposa. Sua ideia de tempo foi alterada e ele perdeu boa parte da memória, mas faz seu caminho, contra tudo e todos, acreditando cegamente no seu final feliz. Nessa jornada ele conta com ajuda de sua família, do seu terapeuta e uma inusitada nova amiga.

O livro é narrado em primeira pessoa, então durante 254 páginas entramos na mente instável de Pat que oscila entre momentos de fúria, descobertas e muitos, muitos questionamentos.

Matthew Quick - O Autor

Matthew Quick – O Autor

O relacionamento de Pat com Tiffany ( sua amiga inusitada) é algo muito singular, diferente de tudo que eu já tinha lido e visto, e isso me agradou muito.
Afinal, pode- se esperar tudo de duas pessoas problemáticas, e o autor nos entrega situações realmente engraçadas.

A adaptação cinematográfica chegou fazendo barulho, recebeu um total de oito indicações para o Oscar e tornou-se o primeiro filme a concorrer em todas as quatro categorias de atuação (melhor ator, atriz, ator coadjuvante e atriz coadjuvante) em mais de 30 anos.

Eu acredito que o filme funcione mais para quem não leu o livro, e ainda que a escalação dos atores seja muito boa, há diversas mudanças no roteiro que pode incomodar os mais críticos (como eu).

No mais, toda a obra desperta sentimentos positivos em você. É um romance que não apela em momento algum para tragédias ou dramas irreais. O que vemos ( ou lemos) são pessoas que lutam para seguir suas vidas, como nós. E nos ensina a tentar ver o sol por trás de uma nuvem de chuva, buscando assim o lado bom da vida.

#Entrevista | Raphael Montes

1)   A equipe Rk Books agradece por participar da entrevista e começa querendo saber mais sobre como você acabou tendo seu primeiro romance publicado na Série Negra da Editora Benvirá.

Escrevi “Suicidas” dos 16 aos 19. Comecei a escrever no segundo ano do Ensino Médio e acabei no final do primeiro ano de Direito na Uerj, em 2009. Na época, enviei o original para várias editoras grandes que publicam romance policial. Enviei também para o Prêmio Benvirá, criado pela Ed. Saraiva em 2010 para autores nacionais.

Em fevereiro de 2011, recebi uma ligação do diretor-editorial Thales Guaracy dizendo que “Suicidas” fora finalista do Prêmio e que eles queriam publicar. Mais ainda: a editora estava começando a lançar uma série policial com vários autores estrangeiros (a “Série Negra”) e estava querendo um autor nacional que se comprometesse a escrever romances policiais com frequência. Topei na hora.

 

2)   Como é começar – com o pé direito – em um país onde a literatura não é tão valorizada em comparação com outros?

Fico muito feliz de ter a oportunidade de mostrar meu trabalho tão cedo. Ter um romance publicado por uma editora do porte da Saraiva aos vinte e dois anos permite que, desde já, eu comece a apresentar aos leitores de todo o Brasil meus projetos na literatura de mistério. Infelizmente, este é um gênero ainda fraco no Brasil, que carece de autores bons e dedicados. Espero que isso mude nos próximos anos.

 

3)   Qual sua reação ao ver que as resenhas e comentários em torno do livro são bons?

Felizmente, “Suicidas” vem colecionando críticas positivas dos leitores, da imprensa e também dos livreiros. Tive encontros via skype com livreiros de São Paulo e de Brasília. A maioria deles leu o livro, veio falar comigo no facebook, indicou “Suicidas” a amigos e clientes. Outro dia, uma amiga de Brasília foi comprar o livro e a caixa da loja disse que tinha lido porque, segundo ela, “todo mundo da loja estava comentando”. Isto é ótimo. Para o autor estreante, que não consegue muito espaço na mídia, o “boca a boca” é que vende o livro, faz a história circular. Costumo pedir a todo mundo que leu “Suicidas”e gostou que recomende aos amigos.

Depois de mais de cinco anos dedicado a este trabalho, é gratificante ver o retorno entusiasmado das pessoas. Agradeço muito cada comentário. No fim das contas, quem faz o sucesso de um livro é o leitor.

 

4)   Suicídio é um tema pesado em qualquer obra de arte, qual sua visão particular desse ato?

A pergunta que mais me fazem atualmente é se já pensei em me matar. Aviso desde logo que a resposta é “não”. Hehehe

Apesar disso, noto que virei uma espécie de referência sobre o tema. Até mesmo alguns psicólogos já vieram me falar que leram o livro e gostaram do retrato da mente de jovens suicidas.

Naturalmente, para escrever o livro, tive que pesquisar muito sobre suicídio. Li ensaios, ficção e muitas reportagens (que são absolutamente difíceis de se encontrar, já que o tema é tabu). Conversei com psicólogos e encontrei pessoas que já tinham tentado (ou pensado em) suicídio.

No fim das contas, a conclusão a que se chega é que ninguém entende direito como isso funciona. O que leva alguém a se matar? De onde isso surge? Existem teorias, e muitas. Mas prefiro não me meter nesta seara. Sou escritor policial, não um especialista no assunto.

 

5)   O livro trabalha ainda com sociopatia, bissexualidade e Síndrome de Down. Como foi a pesquisa para falar de assuntos que ainda são polêmicos? 

“Suicidas” narra a história de nove jovens de classe alta que se reúnem para fazer uma roleta-russa. No porão em que o evento acontece, eles bebem e fumam a valer. O mistério do livro é justamente o que os levou – pessoas aparentemente felizes – àquela situação limite de optar pelo suicídio.

Pois bem, uma das primeiras coisas que pensei ao escrever este livro é que eu não podia ter pudores. Trata-se de um livro sobre jovens que não têm nada a perder, que não precisam se preocupar com punição, com o futuro ou coisa assim. Eles têm total liberdade de fazer e dizer o que sempre quiseram. Eu quis trabalhar com esse despudor. E aproveitei para falar de temas polêmicos atuais: bissexualidade, drogas, internet, descaso familiar, síndrome de down, entre outros. A pesquisa para a maioria destes temas foi supercial, pois eu tratei do mundo em que vivo, de uma juventude da qual faço parte. A realidade bate na minha porta. Não precisei pesquisar muito.

 

6)   Quais seus autores e livros favoritos?

Meus autores favoritos são Agatha Christie e Patrícia Highsmith. A primeira me ensinou a importância de tramar cuidadosamente uma história; a segunda me mostrou como criar personagens verossímeis, com profundidade psicológica. Gosto muito de Cornell Woolrich, Dennis Lehane e Chuck Palahniuk também. Meus livros favoritos são Tarântula, Paciente 67, O caso dos dez negrinhos e O talentoso Ripley.

7)   Alguma dica para novos escritores?

A dica que dou é: persistam. Escrever um livro não é nada fácil. Publicar tampouco. Para dar certo, é preciso determinação. Quando outras ideias surgirem, tome nota, mas continue no seu projeto inicial. Outras duas importantes dicas são: ler muito e escrever sobre aquilo que se conhece. Não adianta ter vinte anos e escrever um romance sobre um casal de meia-idade em crise. Acaba soando forçado ou falso.

8)   Poderia nos falar sobre seu próximo ou próximos projetos?

Tenho o projeto de trabalhar com os subgêneros da literatura policial. “Suicidas” tem muito de thriller, mas traz consigo elementos de suspense psicológico, de romace-enigma e de noir. Este tipo de mistura, quando bem dosado, pode dar certo.

O projeto atual se propõe a ser um suspense psicológico clássico (poucos personagens, investigação profunda nas motivações de cada um), mas com um toque de thriller (reviravoltas inesperadas e final chocante). O plot inicial é simples: um jovem estudante de Medicina se apaixona perdidamente por uma mulher e decide tê-la para si a qualquer custo. A maneira dele para tentar conquistá-la é, digamos, pouco convencional. rs É uma história contada da visão do psicopata.

 

9)   Obrigado pela paciência. Por favor, deixe alguma mensagem para seus leitores (atuais e futuros).

Agradeço muito a todos que me lêem. Sintam-se convidados a conversar comigo, trazendo críticas ou sugestões para livros futuros. A opinião de vocês, leitores, é muito importante.

#Resenha | Belo Desastre

TÍTULO: BELO DESASTRE

AUTORA: JAMIE McGUIRE

TÍTULO ORIGINAL: BEAUTIFUL DISASTER

EDITORA: VERUS

PÁGINAS: 389

SKOOB


Ai ai, Belo Desastre… muita expectativa? Não sei…

Não, Belo Desastre de maneira alguma é ruim, acho que só esperava por “algo a mais” a escrita de Jamie é muito boa, flui perfeitamente e a história passa do clichê do romance e vai pra uma área mais picante (?) da coisa…

Abby, muda de cidade para fazer faculdade com sua melhor amiga America e para tentar fugir do seu passado, e é exatamente isso que ela consegue quando se depara com Travis, O Garanhão (hahaha)!

Travis é um personagem complicado…em todas resenhas que lia antes de receber belo Desastre eram do tipo “Travis é amável e odiável, um perfeito complexo” , mas acabei descobrindo o porque! Ele é o típico “valentão”, que pega todas, e todas querem ele, porém, ele vê em Abby algo que as outras não tem, e é aí que ele fica “amável”, ele quer agradar, proteger e cuidar de Abby, só ter sua amizade seria tudo para ele.Porém, seu lado “me olhe torto que eu te meto um soco no maxilar”, o torna “odiável” para várias blogueiras, porém, acho que esse é o verdadeiro lado de Travis, o lado valentão, porém com Abby sua personalidade muda para algo inimaginável vindo de Travis Maddox.

O livro fica em um vai e vem de ambos os personagens e principalmente de Abby, que mesmo não querendo admitir, se vê atraída por Travis, mas não quer apenas mais uma na vida dele, e quando ela perde a aposta, tudo toda um rumo diferente, afinal, dormir na mesma cama de Travis Maddox, além de ser uma honra por não estar no sofá, é também algo perigoso e tentador.

Jamie Macguire – A Autora

O livro flui muito, muito bem, e no decorrer mais dramas vem surgindo, esse amor “obsessivo” que todos chamam de “Fifty Shades of Grey Adolescente” começa, apesar de eu não achar nada tãããão obsessivo assim! Cenas de sexo (SIM!) são descritas, palavrões são constantes, mas tudo flui muito bem, pois essas cenas aparecem não como um alarde para “crianças saiam da sala” mas como parte da trama, algo fundamental pra trama, afinal não é um livro tão jovem assim.

Essa resenha está sendo foi bem difícil de fazê-la pois Belo Desastre é um livro que sem spoilers você não consegue contar e falar como ele é. Espero que a resenha esteja “compreensível”, e mais uma vez, RECOMENDO a leitura, mas acho que o livro cai melhor para garotas, sei lá, acho que todos os encantos que a Abby retrata cai certinho com o que as meninas pensam nas situações do livro, mas agora com Walking Disaster  na visão de Travis Maddox, talvez fique mais interessante para os meninos! ;D

#ChanceImperdível | Novas Antologias da Andross

Olá, pessoal!

Até 31 de outubro de 2012, a Andross Editora estará recebendo contos para seis antologias literárias, com lançamento em janeiro de 2013, durante a segunda edição do evento Livros em Pauta, que acontecerá no China Trade Center, localizado à Rua Pamplona, 518, em São Paulo.

Qualquer pessoa pode submeter um texto à avaliação, basta acessar o website da editora e seguir o regulamento de participação. Essas são as antologias em andamento:

CORAÇÕES ENTRELAÇADOS
CONTOS DE AMOR
Sinopse: Muitos dizem saber o que é o amor, mas quantos podem ter essa certeza? Um sentimento que todos buscam e tanto temem. Corações Entrelaçadostraz histórias que mostram infinitas manifestações do amor e tudo o que ele pode nos causar. Algo que pode ser salvação, mas também ruína.Organização: Leandro Schulai

 QUIMERA

CONTOS FANTÁSTICOS
Sinopse:Este livro reúne as mais diversas criaturas do mundo extraordinário, em tramas escritas por narradores envoltos pela magia do contar. Por vezes, você será transportado para cenários insólitos. Em outros momentos, serão as criaturas do extraordinário que invadirão seu mundo. Nas páginas de “Quimera”, você encontrará acontecimentos estranhos ao entendimento natural humano, que vão do absurdo kafkiano ao horror gótico. Também encontrará tramas de ficção científica que o levarão a lugares jamais explorados. Aventure-se pelas histórias fantásticas de “Quimera”. Ao final da leitura, perceberá que a criatura mais insossa do universo é o próprio homem. Ou não.Organização: Alex Mir

 NÉVOA

CONTOS SOBRENATURAIS, DE SUSPENSE E DE TERROR
Sinopse: Quando a bruma toma conta do olhar, é impossível não temer o que é invisível aos olhos. Os medos mais secretos tomam forma e o irreal torna-se real. “Névoa” traz histórias aterrorizantes, contadas por escritores que temem o desconhecido e transcreveram para o papel temores que os acompanham desde sempre. Se as tramas deste livro assustam quem as escreveu, o que elas farão com leitores desavisados como você? Deixe-se envolver por esta densa névoa, tendo plena consciência de que não sairá dela a mesma pessoa.Organização: Cristiana Gimenes

 BOLEIROS

CONTOS SOBRE FUTEBOL
Sinopse: E a partida tem início! Uma seleção brasileira de escritores entra em campo para contar ao leitor tudo o que acontece dentro das quatro linhas e fora delas. Times campeões, grandes fracassos, artilheiros intrépidos, grandes viradas e jogos emocionantes. Lute por seu ingresso e garanta seu lugar, pois, como dito pelo radialista Benjamin Wright, “o futebol é uma caixinha de surpresas”.Organização: Alex Mir

 SOPA DE LETRAS

CONTOS E CRÔNICAS DE TEMÁTICA LIVRE
Sinopse: Uma das melhores coisas da vida é saborear uma reconfortante sopa caseira, preparada com carinho por nossa mãe ou pela avó-coruja. E se for de letrinhas, melhor! Ganhamos em diversão nas inúmeras tentativas de formar palavras e buscar significados. Uma brincadeira que nos liga à leitura e à escrita, que indiretamente nos remete à tecelagem de frases, sentidos, textos e, quem sabe, histórias. Letras traduzem sentimentos, revelam sensações, defendem ideias, mexem com a imaginação do leitor. Cativam e conquistam. Têm poder. Nesta antologia, elas contam as mais diferentes histórias, letras escritas por vários autores com total liberdade para escolher a própria temática. Contos e crônicas reunidos numa ampla e intrigante sopa de letrinhas.

Organização: Helena Gomes

 O SEGREDO DA CRISÁLIDA – VOLUME II

ANTOLOGIA DE POEMAS
Sinopse:A crisálida que envolve os novos poetas se rompeu e deu início a uma doce sinfonia da borboleta. Sentimentos libertos que inspiram composições poéticas… Será esse o segredo?
Organização: Guaraciaba Micheletti
VISITE A EDITORA NAS REDES SOCIAIS:

#Resenha | Corrida de Escorpião

TÍTULO: A CORRIDA DE ESCORPIÃO

AUTORA: MAGGIE STIEFVATER

TÍTULO ORIGINAL: THE SCORPIO RACES

EDITORA: VERUS

PÁGINAS: 378

SKOOB


Algumas corridas são feitas para vencer. Outras, para sobreviver.
No mar de Escorpião existe uma ilha, no mês de novembro cavalos mágicos surgem do oceano para  o bem ou mal dos moradores…
      “Os cavalos d’água são famintos e maus, violentos e belos, amam e odeiam cada um de nós.”
      A autora baseada na lenda irlandesa-escocesa dos capall uisce (O Brasil tem essa versão também, o boto cor-de-rosa que se transforma em homem) utilizou alguns aspectos da história em um cenário simples para compôr uma intriga interna entre dois personagens principais não muito diferentes.
      Sean e Puck são os protagonistas e também os narradores. Ambos, infelizmente, não convencem o leitor e nem possuem uma linguagem diferente para descrever as situações, que são realizadas cronologicamente.
       Puck é uma jovem com dois irmãos, órfãos. Decide participar da Corrida de Escorpião para manter seu irmão por mais um tempo morando na ilha, coisa que desde o princípio é obviamente desnecessária e tola para o leitor e qualquer outro personagem fora de sua pele. Lá pelo meio da história ela se dá conta disso, mas pretende participar mesmo assim .pelo prêmio em dinheiro, já que a casa onde mora está prestes a ser tomada pelo credor.
      Sean já ganhou a Corrida de Escorpião quatro vezes – das seis em que participou –  e sabe que correr com capaill uisce é uma coisa perigosa e mágica. Ele precisa do dinheiro e da vitória para poder comprar seu cavalo, Corr.
      De um lado um vencedor experiente com seu capaill uisce e do outro Puck com sua égua normal, Dove.
        A autora não soube trabalhar a narração dos personagens, muitos capítulos são diferenciados apenas porque começam com o nome do narrador, ritmo, vocabulário e personalidade se confundem o tempo todo.  Em compensação não caiu na febre da literatura Young Adult em colocar a jovem dividida em duas paixões másculas, sobrenaturais e com barriga de tanquinho.
      Puck sofre com o machismo por ser a primeira mulher a se inscrever na Corrida e Sean sente a cobrança de ser um vitorioso solitário. Um romance entre os dois era inevitável desde o início, mas consegue se manter saudável e dentro dos limites de um livro de ação.
       Qualquer comparação com Jogos Vorazes é inútil apesar da proposta: Algumas corridas são feitas para vencer. Outras, para sobreviver.
       Poucos capítulos não são cansativos, chegar ao meio do livro foi um trabalho lento e talvez desse ponto em diante é que a escritora consegue, desculpe pela expressão, tomar as rédeas e mostrar o que pretende fazer com a trama.
      Minha principal intenção ao ler A Corrida de Escorpião era entender mais o amor aos cavalos e um funcionamento de um haras. Em nenhum me senti satisfeito. Se o livro deixou na mão em muitos aspectos, pelo menos ensinou uma verdade que talvez muitos jovens venham a aprender: Nada é completamente inofensivo.

#Resenha| Um Romântico Incorrigível

TÍTULO: UM ROMÂNTICO INCORRIGÍVEL

AUTOR: DEVAN SIPHER

EDITORA: VERUS

PÁGINAS: 252

SKOOB

Leitura fantástica, sensacional, recomendadíssimo!!!!


Olá queridos!!

Posso me classificar como uma devoradora de livros, e essa classificação caiu  feito uma luva quando comecei a ler essa joia, já que li em dois dias, rsrsrsrs….simplesmente não consegui mais parar!! Um romântico incorrigível, além de ser espirituoso e divertido ele é inteligente e autêntico. O autor Devan Sipher soube combinar a força e a sagacidade nesse romance e é por isso que conquistou milhares de fãs e fez a maior audiência entre as mulheres. Juntando todos esses fatores, ainda acrescento uma leitura leve, rápida, nada cansativa ou monótona. Nessa história o ponto principal é a solidão de um homem, no caso Gavin, beirando os 40 anos, que levou um fora da sua última namorada, está solteiro desde então e sem sorte nos relacionamentos que surgem em sua vida. Leva um tempo mas Gavin percebe que o que realmente atrapalha em suas buscas amorosas é o sentimento de “medo”!!…medo de ficar como seus pais, de errar ou até mesmo de ficar só. Gavin além de ser um romântico atrás da sua alma gêmea, o romance é também seu ganha-pão, pois ele é jornalista, e escreve uma coluna sobre casamentos no principal jornal de Nova York, o The Paper.

Sempre resistindo a convites para festas, sua amiga Hope o convida para uma de Ano Novo e lá conhece Melinda que se apaixona de cara.Depois da festa Gavin perde contato com ela, fez tudo o que um bom jornalista pode fazer quando está a procura de alguma boa notícia, fez uma busca incansável para achar Melinda, mas infelizmente não conseguiu nada. Seguiu em frente em sua rotina, seu trabalho. Gavin recebe uma proposta de escrever sobre um casamento super badalado em Nova York, quando é apresentado à noiva, seu coração para de bater, pois adivinha quem era a noiva?? Isso mesmo: Melinda…

Daí pode-se imaginar como Gavin reagiu a tudo, o que ele irá descobri sobre a Melinda e o que fará para conquistar seu grande amor.

O que me fascinou nesse romance, é que a procura pela sua cara-metade não faz parte só do mundo das mulheres, que só elas procuram, só elas sofrem, mas os “homens” também!! Isso faz parte da vida de todos nós, dessa busca  incessante pelo amor e de não ficar sozinho!!

O que posso afirmar dessa extraordinária leitura, é um romance que enfatiza a solidão de um homem, mas com empatia e senso de humor irônico nos desafios   de uma pessoa solteira.  Leitura fantástica, sensacional, recomendadíssimo!!!!

Parabéns ao autor Devan Sepher por criar uma obra prima da literatura romântica mesclando todas as bagagens emocionais relacionada aos relacionamentos, BRAVO!!!!! :B

#ResenhistaConvidado | Garota Replay

Olá Pessoal! Estamos lançando uma nova coluna aqui no blog, onde convidaremos toda semana, alguém para ter uma resenha postada aqui no blog. A Primeira que postaremos é do Alair Lemes, que mora em Belo Horizonte, estuda fonoaudiologia e tem 18 aninhos.
Confiram abaixo a resenha e, se você quer ser um dos próximos resenhistas, basta entrar na nossa página CONTATO e mandar um e-mail fazendo a solicitação. ;-)


TÍTULO: GAROTA REPLAY

AUTORA: TAMMY LUCIANO

EDITORA: NOVO CONCEITO

PÁGINAS: 144

SKOOB

COMPRE:

SUBMARINO | EDITORA

Mesmo tendo somente 144 páginas, Garota Replay se mostra uma leitura gostosa.

Thizi é uma carioca que mora no apartamento dos pais. Mesmo cercada de amigos ela se sente sozinha até mesmo porque os pais viajam 10 meses por ano e voltam para natal. Ela tem um namorado, o Tadeu. Só que o cara não é nem um pouco no mínimo certinho, na verdade me permito chamá-lo de canalha, cafajeste, playboy ridículo… Bom, mas indo para as coisas boas, Thizi tem um melhor amigo (claro!), Tito e é ele que flagra Tadeu beijando outra na balada. Fazendo o papel de best friend, o cara tira uma foto da cena e depois mostra para a amiga.  (Entenderam? Aqui as coisas vão se complicar).

Claro que todos já sabiam das traições de Tadeu e somente Thizi não desconfiava que ela era a traída da Barra da Tijuca. (Isso aqui se parece tanto com a realidade não é mesmo?) Então depois da foto ela logo descobre que o namorado não era bem aquilo que ela pensava que fosse.

Estaria tudo bem se fosse somente isso. Ela poderia resolver a situação pondo um fim no namoro de um ano, mesmo que pudesse acontecer algumas coisas, mas daria tudo certo, ou não. Porém, sozinha na balada, Thizi encontra com si mesmo. É! Ela encontra com uma igualzinha a ela. (Momento bizarro não acham?) E aqui ela já não pode mais resolver a situação como poderia antes.

Ali, me vendo, ou vendo alguém tão parecida comigo, com aquele astral tão vencedor, imaginei que eu poderia ter conseguido muito mais do que fiz até ali.

Li várias resenhas sobre o livro antes mesmo de ganhá-lo de um amigo (obrigado, Renato). E para falar a verdade, muitas coisas que li sobre o livro como ele ser estúpido e desajeitado é mentira. Ok, Thizi pode ser um pouco vazia e imatura, mas é ai que entra a Replay. São ensinamentos que Thizi deve aprender com a Replay. Quem leu o livro e não compreendeu isso, leia novamente e preste mais atenção. Para quem ainda não leu, pode ler e tente visualizar isso. O livro fará muito mais sentido se for lido com um olhar de interpretação e não como mais um livro lido no ano de 2012.

Garota Replay é um livro para todas as idades. Normalmente desejo que todos os livros sejam grandes. Em partes é por causa dos personagens, adoro quando eles são bem explorados e isso me fixa na leitura. Mas mesmo tendo somente 144 páginas, Garota Replay se mostra uma leitura gostosa. Com poucos personagens e uma trama seguindo um caminho fixo, você vai virando as páginas e quando percebe terminou o livro com aquela sensação gostosa de ter lido um livro bom.

A Autora:

Tammy Luciano é atriz, jornalista e escritora. Foi colunista do JB on-line e do Baguete Diário, fez curso de roteiro em Washington, D. C., trabalhou na Idea Television. Foi professora de teatro no Retiro dos Artistas durante 12 anos e apresentadora do Tá no Papo (antigo canal Hipermídia-Globo.com). Escreveu mais de 30 textos teatrais. Foi repórter do TV Fama, fez participações em peças e novelas, como Uga-Uga, Laços de Família, Senhora do Destino, Caminhos do Coração, e episódios do Linha Direta e A Grande Família. Escreveu os livros Fernanda Vogel – na passarela da vida, Novela de Poemas e Sou Toda Errada. Costuma dizer que não bebe, não fuma, mas é viciada em uma caneta.

Confiram o BookTrailer do livro: 

#CapasDaSemana | Keary Taylor & Asaari

Olá Pessoal!

Primeiro post meu no blog e vou começar com algo que conta muito em um livro pra mim: CAPA!

Irei apresentar a capa “brazuca” da vez, Assari, vol.2 de A Lenda de Arion, do autor L.S. Bertolino, uma capa que ficou – pelo menos eu acho – espetacular!

A Lenda de Arion #2

Asaari
A Lenda de Arion #2

Lindona a capa não é mesmo?!

Confesso que para relacionar essa capa de Asaari com alguma capa “de fora” foi difícil, mas logo me veio a capa de um livro que baixei para o tablet, que tem uma base dourada, EDEN da autora Keary Taylor e numa pesquisa mais afundo sobre a autora descobri que uma Trilogia dela (Fall Of Angels) teve suas capas reformadas e ficaram ESPETACULARES! Bom, chega de papo e vamos para as capas!

Eden

Branded
Fall Of Angels #1

Forsaken
Fall Of Angels #2

Vindicated
Fall Of Angels #3

Espero que tenham gostado das capas! Logo mais reapareço com resenhas por aqui! ;D

#Resenha | Apaixonados

Se você não leu Fallen, Tormenta ou Paixão, não corra o risco de ser alvejado por spoilers, leia a resenha dos livros anteriores da série (Basta clicar no título):

#01 FALLEN

#02 TORMENTA

#03 PAIXÃO

Se já leu, ou não liga para possíveis spoilers, confira a resenha logo abaixo!


ApaixonadosTÍTULO: APAIXONADOS

AUTORA: LAUREN KATE

TÍTULO ORIGINAL: FALLEN IN LOVE

EDITORA: GALERA RECORD

PÁGINAS: 182

SKOOBhttp://www.skoob.com.br/livro/237333

COMPRE


Sensual e Apaixonante, uma verdadeira Ode ao Amor Eterno…

Os fãs de plantão de Fallen vão encontrar em Apaixonados ainda mais motivos para se agarrarem a série.

O volume extra da saga vem com quatro contos inéditos, todos eles retratando histórias envolvendo alguns pares românticos fofos, hora um pouco cruéis.

Ao contrário do que aparenta logo de cara, os quatro contos não são histórias distintas. Pelo contrário, todos eles acontecem num mesmo período, com algumas idas e vindas ao passado, porém todos os personagens interagem de alguma forma na data presente. O Dia dos Namorados.

Capa 4º e último livro da série, Rapture.

Os mais variados tipos de sentimentos são despertados. O amor entre amigos, a incendiária paixão, o ciúme implacável e, é claro, o Amor Eterno ultrapassador de barreiras.

São quatro histórias curtas, mas que marcarão a vida de seus leitores eternamente.

A HISTÓRIA: “Apaixonados” vem para matar as saudades de quem aguarda o lançamento de Rapture e também para explicar o comportamento de alguns personagens, e aumentar um pouco a bagagem histórica de cada um deles.

Fallen, livro#01

Cada um dos contos retrata um casal diferente, vivendo um amor diferente.

Um deles retrata o florescer do amor em meio a uma forte amizade, outro uma paixão quase esquecida que ameaça ressurgir e ter consequências não tão boas, um terceiro retrata uma forma de amor bem interessante, capaz de causar conflitos imensos. Mas o último é basicamente fruto de todos os outros, e a base de todos os outros. Um resumo simples da essência de cada um deles, para não soltar os tão chatos spoilers.

Lauren Kate continua com seu estilo de narrativa polêmico, capaz de agradar alguns, e obter o desgosto de outros. Repleta de detalhes e sentimentos, a narrativa de Apaixonados, assim como de toda a série Fallen, é sublime e, vista por alguns como cansativa.

Tormenta, Livro #02

Por isso, ao recomendar este, e todos os outros volumes da série, apenas digo: Ao optar por aventurar-se por suas páginas esteja preparado para muito amor, paixão e romantismo, com uma dose agradável de melancolia e suspense.

Mas antes de dizer “Este não é meu tipo de livro”, recomendo que faça o teste… pode se arrepender ou pode se encantar.

Sempre gosto de falar que, de Fallen, ou você ama e se vê totalmente na história, ou não gosta e nunca mais quer ler nada relacionado. Nunca vi leitores que ficam no meio termo.

Paixão, livro #03

E, com a onda de lançamentos de YA’s agitadinhos, cheios de conflitos doidos e lutas, a série de Lauren Kate é perfeita para dar uma assentada nas emoções, e quem sabe, curar algumas ressacas literárias, causadas por essa onda de livros “agitadinhos”.

A CAPA: Não posso nem falar muito, afinal o trabalho da Fernanda Brussi (Brasileira e a simpatia em pessoa) é simplesmente indescritível.

Cada capa consegue retratar o amor e ao mesmo tempo a melancolia que pesa em todos os livros, fato que junto ao acabamento final, fosco e aveludado, torna estes livros verdadeiros sonhos de consumo para os Livromaníacos.

Mais uma vez, parabéns a Brussi, pelo trabalho magnífico. ;*

UMA PALAVRA QUE DEFINIRIA O LIVRO: Tocante.

#CapasDaSemana | Trilogia Shatter-me & Príncipe Gato

Olá Pessoal!

Para quem já leu ESTILHAÇA-MA da autora Tahereh Mafi, deve ter gostado muito (ou não) da capa com a garota de vestidão e talz.

Porém, para os que ainda não sabem, o padrão de capas foi alterado. Agora, cada uma delas tem um olho totalmente estilizado e, convenhamos, lindo!

Para quem ainda não viu, seguem abaixo!

SHATTER ME
(Estilhaça-me)
Book #01

UNRAVEL ME
(Desvende-me)
Book #02

DESTROY ME
Book #03

E Para não perder o costume, vamos seguir o padrão e mandar uma capa Nacional com um olhar hiper penetrante na capa! Com vocês O PRÍNCIPE GATO, do autor Bento de Lucca!

O Príncipe Gato e a Ampulheta do Tempo

Ok, ainda não acabou! Se você ainda tem um coração intacto aí, confira a ilustração da capa do segundo livro da série Príncipe Gato, que se chamará A Flor-Cadáver.

Príncipe Gato e a Flor Cadáver


Se animou com todas essas belezuras,não é?
Pois se preparem, na próxima semana, capas ainda mais incríveis estarão chegando!
XoXo

#Entrevista | Jim Anotsu


O autor de Annabel e Sarah, que reconhecidamente entrou no mercado editorial com o pé direito agora trabalha em seu próximo romance e nos cede uma entrevista bem animada.

 

Agradecemos a liberdade que você nos dá para esta entrevista e aproveitamos para saber: Quem ou o quê é o misterioso Jim Anotsu? 

Eu sou o cara qualquer que quando anda pela rua vai tropeçando nos seus próprios pés. Minhas roupas não combinam e como canta Cuomo: meus jeans precisam de remendo. Ando com os punhos fundos nos bolsos e tenho mania de colecionar coisas absurdamente inúteis. Sabe, um Alvin de pelúcia fica muito cool na prateleira. Sou viciado em mms verdes. Saio pra caminhar sem rumo para ter idéias e quando elas aparecem é como uma flecha através da cabeça até o cérebro.  Eu nem faço muita coisa além de estudar, escrever e visitar lojas de discos usados pra comprar CDs pra minha coleção. Tenho problemas com as normas fundamentais de interação humana e fico alternando meus sonhos de consumo entre um tapetinho num lugar vazio e alguma outra coisa. Nos fins de semana eu me encontro com meus amigos num posto de gasolina e fico conversando sobre coisas que vão desde Sartre até O Guia do Mochileiro das Galáxias e/ou minhas imitações de Marlon Brando.

 

ANNABEL & SARAH
O Primeiro livro do autor, mas que de primeiro não tem nada.
A Narrativa é tão bem-feita que já pode (deve) ser comparada à um Clássico!

Qual influência da literatura beat em seu modo de escrever?

Foi bem grande. E acho que é uma das chaves pra se entender Annabel & Sarah. Mas não as técnicas de escrita. Não sou louco para tentar emular a prosa-espontânea de Kerouac ou o Cut-up de Bill Burroughs. Mas a maior influência veio do espírito beat (beatnik é ofensivo): A liberdade de fazer o que quiser e buscar alguma coisa que realmente te faça sentir bem. E quando eu comecei a escrever o livro, estava sob influência direta de Kerouac, Ferlinghetti, Corso, Ginsberg e principalmente Neal Cassady que era a alma central de tudo. Aquele que representava o vagabundo iluminado e acabou por ser tornar o Code Pomeray de “Visions of Cody”. Eu não sou mais tão vidrado nessa galera hoje em dia e duvido que no meu próximo trabalho existam muitas referências a isso. Mas foi uma época legal da minha vida.

Você concorda com alguns críticos que afirmam que o livro é a resposta do autor para todos os livros já lidos por ele?

Se não fosse por Robert Louis Stevenson, aos meus quinze anos, eu nunca teria começado a escrever. De certa forma era uma resposta ao trabalho dele.  Escrever é estar na influência, um caso de apropriação e desapropriação de todas as coisas que você leu e a remontagem de tudo aquilo numa visão particular. Gabriel Garcia Marquez decidiu ser escritor em resposta a uma leitura de Kafka. E mesmo um autor que diga estar buscando aquilo que não encontrou em outros livros, está de certa forma reagindo a eles.

 

Como foi escrever Annabel e Sarah?

Eu me lembro de que foi demorada na primeira versão. E dolorosa na segunda, que tinha quase 300 e poucas páginas. Eu tinha um emprego naquela época e eu não era muito feliz lá, o chefe reclamava se a gente não sorria e um monte de outras besteiras. Eu estava no limite entre desistir de escrever, tentar deixar de ser um aluno medíocre e seguir aquilo que eu conhecia desde criança como “O Plano” – estudar, entrar numa boa faculdade, ter uma namorada séria e fazer tudo isso sem maiores incidentes. Eu estava simplesmente cansado de estudar, ter um emprego bem remunerado e queria que tudo explodisse no melhor estilo Trainspotting. Foi aí que eu me demiti e aluguei uma casa onde passei dias escrevendo obsessivamente num quarto fechado com janelas cobertas de papel alumínio. O que era uma loucura levando em consideração que tinha 18/19 anos naquela época. A terceira versão saiu desse período e é essa que vocês podem ler.

IDENTIDADE SECRETA?
Até hoje, ninguém nunca viu Jim Anotsu, cogitam de ele ser um pseudônimo… ou um autor extremamente envergonhado… e agora?
Qual seu palpite?

Porque Fantasia?

Porque eu não tive escolha. A autora de Crepúsculo disse não ter escolhido escrever sobre vampiros, simplesmente aconteceu. A história veio e era assim que eu deveria escrever. Eu não acho que seja possível acordar e decidir algo assim. Você simplesmente deixa a narrativa te guiar. Algumas pessoas se sentem mais a vontade em escrever dramas intimistas e outras adoram cavaleiros em cruzada contra o mal. O importante é se divertir no processo. Ah, e eu sempre quis escrever sobre marsupiais tocando rock.

Como você enxerga o mercado de Literatura Especulativa atual, tanto no exterior como no Brasil?

Tenho gostado até certo ponto. Mas ainda dá pra melhorar muita coisa. Mas o que mais aprecio é que posso ver novos autores ganhando espaço e tentando sair do que já foi explorado. Isso é interessante. E acho muito legal conhecer algumas dessas pessoas. Continuar torcendo. E no exterior a coisa tem uma proporção maior, porque em lugares como E.U.A e  Inglaterra, você já tem um mercado enorme. Em Seattle você tem um museu de sci-fi e pra cada Starbuck você encontra uma livraria com seções disso.

Seus dez livros preferidos em ordem de preferência:

1- A Ilha do Tesouro – Robert Louis Stevenson

2- O Processo – Franz Kafka

3- Visions of Cody – Jack Kerouac

4- Reparação – Ian McEwan

5- Disco Biscuits – Contos – literatura underground irlandeses da década de 90

6-  Crônica da casa assassinada – Lúcio Cardoso

7- As Virgens Suicidas – Jeffrey Eugenides

8 – The Borrible Trilogy – Michael de Larrabeiti

9 – Alice no Espelho – Laura Bergallo

10 – Dois Irmãos – Milton Hatoum

 

Como é sair de um período onde ninguém te conhecia e ir para um segundo momento onde você tem sua obra dissecada pelos mais variados tipos de leitores?

Tão divertido quanto surfar no mar vermelho… E olha que já fiz isso.  Ah, cara, é uma coisa surreal multiplicada aos quadrados e cubos.  É incrível receber todas essas respostas positivas das pessoas mais diferentes possíveis. Já recebi respostas de garotas de 12 anos que amaram, rapazes mais velhos que eu e até mesmo de um dos meus professores de faculdade. Acho que a melhor resposta que tive, foi a cartinha de uma garota de 11 anos me perguntando o que aconteceu com uma personagem depois do fim da narrativa. Ela contava que tinha uma doença bem ruim e que ela queria ser corajosa e esperta como a Annabel. Realmente, foi um dos momentos em que realmente me senti contente por ter escrito o livro.

Fale sobre seu último livro, A morte é legal:

“A Morte é Legal” é quase uma dramédia romântica com elementos de várias outras coisas, você tem uma busca por coisas perdidas, uma dupla de amigos que tenta alcançar seus sonhos – mesmo que isso envolva o maior produtor de hip hop do mundo; amantes desafortunados e pactos com criaturas sombrias e um pouco de literatura policial. Acho que também é a história mais calcada em literatura que já fiz, sendo que é baseada num poema de T.S Eliot e com muitas referências à outros escritores: Wallace Stevens, Sir Philip Sidney e Shakespeare. “Annabel & Sarah” era uma coisa mais juvenil, o meu eu daquela época brincando de misturar coisas. O livro novo tem um pouco disso, mas tem coisas daquilo que eu acabei me tornando um pouco depois e das leituras que fiz depois. Foi a coisa mais difícil que já escrevi e também a mais honesta. Eu sempre pensei na “síndrome do segundo disco” pelas quais algumas bandas passam e por isso eu pensei em como eu queria que o meu “disco novo” seguisse o mesmo espírito de coisas como “Pinkerton” do Weezer ou “Marshall Mathers LP” do Eminem – trabalhos nos quais os artistas deixaram as piadas um pouco de lado em prol de uma faceta mais agressiva e crua. Bem, eu fiz isso, mas mantive minhas piadas e bichos falantes.

E, se você se interessou pelo autor e seu livro, Annabel e Sarah, pode (e deve) conferir a resenha dele que já foi feita aqui no blog! AQUI

#Resenha | Tarântula

Capa - Tarântula - Thierry JonquestTÍTULO: TARÂNTULA

AUTOR: THIERRY JONQUEST

TÍTULO ORIGINAL: MYGALE

PÁGINAS: 160

EDITORA: RECORD

SKOOB: http://www.skoob.com.br/livro/191485


Aterrorizante e cruel. Uma história meticulosamente criada, para arrepiar até o ultimo fio de cabelo e surpreender inclusive o mais sagaz dos leitores.

Ève, Lafargue, Vincent, Alex e Tarântula. Quatro, cinco, ou talvez três personagens. A história deles se confunde, mas ao mesmo tempo é totalmente diferente.

Unidos por um mesmo acontecimento. Presos na mesma teia, sujeitos a se enfrentarem quando menos esperam.

Enquanto uma é obrigada a realizar perversões que fogem do controle, outro vê sua identidade se esvair cada vez mais, e o pior, não pode fazer nada a respeito.

Enquanto um elabora o plano de fuga perfeito, outro vive uma vida dupla, cheia de segredos.

Mas logo, o destino de cada um deles, dependerá das escolhas que o outro tomar.

Cena do Filme

Narrado de forma meticulosa e sagaz. Tarântula é uma armadilha para os leitores, capaz de não apenas prender, como também de sugar todas as suas forças, atando-o até o fabuloso desfecho.

A HISTÓRIA: Thierry Jonquet consegue criar uma história meticulosa e sagaz. Extremamente inteligente.

Um dos pontos mais marcantes de toda a narrativa é com certeza esse:

“Você ia rápido. O vento inflava sua camisa, que estufava e estalava. Insetos esmagavam-se em sua viseira, seu rosto, mas você não sentia mais calor.
Levou tempo até você começar a se preocupar com a presença daqueles dois faróis brancos, esburacando a escuridão no seu encalço. Dois olhos elétricos, apontados para você, implacáveis…”

Neste trecho o autor descreve a fuga de um dos personagens e, bom, faz de um jeito um tanto quanto interessante, afinal, descreve tudo como se estivesse falando DE VOCÊ e COM VOCÊ. Isso deixa o clima do livro muito, muito mais tenso do que seria normalmente e, confesso, eu meio que fiquei cismado enquanto lia essa descrição, que dura em torno de três ou quatro páginas. Ou seja, isso, por si só já gera uns bons momentos de apreensão.

O Restante do livro varia entre as histórias das várias pessoas envolvidas na narrativa e, pouco a pouco, é como se uma aranha invisível fosse interligando os vários fios da teia, dando forma a novela e deixando o leitor cada vez mais “ligado” ao que está acontecendo. Chegando ao ponto de ser impossível interromper a leitura.

E, bom… o Gran-finale vai deixar qualquer um de cabelo em pé, Jonquest foi, não apenas feliz, como incrivelmente sagaz ao terminar o livro. Só posso dizer… é surpreendente, surpreendente, surpreendente.

O FILME: O livro TARÂNTULA, deu origem ao filme A PELE QUE HABITO.

Bom, primeiro, você deve estar se perguntando, que diabos tem haver TARÂNTULA com APQH… Bom.

1)      O livro não tem muito haver com ARANHAS, por isso, se você tem Aracnofobia, não se preocupe, não vão ter trechos que descrevem aranhas saltitando nas páginas. >.<
O significado, na verdade, é bem mais intrínseco, um pequeno detalhe que é revelado logo nas páginas iniciais do romance e, não, você não vai ficar sem dormir a noite. Er… Talvez fique, mas não será por causa da Tarântula. ;*

Capa Filme – A Pele que Habito

2)       O filme foi chamado de A PELE QUE HABITO justamente para evitar esse pequeno engano com aranhas e para o título ficar um pouco mais “comercial”. Porém, existe uma pequena diferença entre o livro e o filme, que foi também essencial para essa diferença de nomes, mas só dá para descobrir lendo E assistindo.

3)      Os personagens não são 100% iguais, temos alguns acréscimos, mas não comprometem muito o desenrolar da história, que é bem parecido com o do filme. Divergindo em alguns pontos apenas.

Ambas as obras são recomendadíssimas, tanto o livro como o filme, pois são de extremo bom gosto e verdadeiras obras-primas.

P.S.: Se você cansou daqueles romances longos, enrolativos e… grossos, aproveite! Tarântula é fininho, com suas 160 página, proporciona uma leitura rápida, mas sem perder o bem-bolado e o suspense.

A CAPA: Ok, não gostei TANTO ASSIM dela, acho que este era um daqueles momentos em que é interessante trocar a capa do livro pela do filme. Porém, ela é uma forma de deixar um pouco mais explícito o assunto que será tratado no livro, no caso a Cirurgia plástica, entre outros assuntos relacionados a esse meio.

Resumindo, não é feia, mas também não é algo que serve como um atrativo para o leitor, não causa tanto impacto quanto deveria.

UMA PALAVRA QUE DEFINIRIA O LIVRO: Inteligente.

#Entrevista | Fabio Brust

Olá, tudo bom com vocês? O autor Fabio Brust nos deu uma entrevista fantástica, assim como os livros dele. Confiram!

яK BooK’s: Quando descobriu que seria um escritor?

Fabio: Não sei direito quando foi que isso aconteceu… eu sempre gostei de ler, mas só comecei a escrever mesmo quando eu vi que a J.K. Rowling (minha única inspiração naqueles tempos antigos) tinha começado a escrever muito nova um livro que não fazia sentido nenhum. Então pensei: “Se ela posso, porque eu não poderia?”. Acabou que comecei a escrever e não parei mais. Maldito vício!

яK BooK’s: É mais difícil escrever ou conseguir publicar um livro?

Fabio: Acho que a maior parte dos escritores vai concordar comigo que escrever é só o começo. Publicar é bem mais complicado. Tem muita gente que escreve e nunca publica nada… eu mesmo só publiquei um livro até hoje, tendo muitos outros que gostaria de fazer seguirem o mesmo caminho. Escrever é lazer, é prazer. Publicar é mais comercial e um pouco mais complicado, na medida que não dependemos mais só de nós mesmos.

Capa do primeiro livro do autor a ser publicado, Agora eu Morro.

яK BooK’s: Pessoas do seu cotidiano te inspiram para criar personagens?

Fabio: Algumas pessoas, sim. Às vezes as mais improváveis; às vezes, as mais óbvias. Mas não são muitas, não. Normalmente me inspiro em diversas pessoas pra criar os personagens. Não dá pra se ater a só uma… eu pego aspectos de muitas e mesclo em um personagem só, até torná-lo palpável. Ou, tento!

яK BooK’s: Como as ideias dos seus livros surgem?

Fabio: A qualquer hora, em qualquer momento, em qualquer lugar. O pior é quando elas simplesmente surgem, como um insight, no meio da noite. Aí você fica na dúvida se levanta e anota ou se deixa pra lá e tenta se lembrar amanhã. Eu nunca lembro. Então passei a anotar imediatamente todas as ideias que tenho! E elas não têm nenhum padrão. Às vezes são elaboradas, às vezes vem só um plot ou um personagem, ou uma situação. Eu gosto de juntar diversas ideias pra criar uma história nova…

яK BooK’s: Quais são suas bases no mundo literário? Inspirações e autores que admira?

Fabio: Acho que são três, e um deles é o mais recente, pra mim. O mais antigo foi Bernard Werber, autor da trilogia “O Império das Formigas”. Foi um livro que mudou minha concepção de mundo e me mostrou que há diversos pontos de vista para cada situação. O mais importante, pra mim, George Orwell, e o “1984”, que é um clássico e eu considero o melhor livro que já li. E, por último, Isaac Asimov, que escrevia ficção científica e nos brindou com inúmeras obras geniais. A que li foi “O Fim da Eternidade”, além do conto “A Última Pergunta” – bastante curto, que eu recomendo ler o quanto antes, aliás. O final é simplesmente genial. Esse conto é provavelmente a melhor coisa que eu já li.
яK BooK’s: Há livros ainda não concluídos ou guardados que você espera publicar?

Fabio: Mais ou menos. Se estão guardados é porque eu achei que não estavam prontos pra serem publicados, e ainda precisam de uma lapidação. E se não estão prontos, acho melhor terminar antes de pensar nos próximos passos… só pra me manter organizado!

Slogan do Novo Romance do autor.

яK BooK’s: Seu novo projeto é do gênero fantasia, sobre o que o livro vai tratar?

Fabio: Vai ser uma história de fantasia que eu costumo referir como “mais orgânica”. Não queria nada fantasioso em excesso, ou absurdo demais. Tentei manter os pés no chão até certo ponto, exagerando onde dava e deixando as coisas mais reais onde precisava. Além disso, não queria nomes cheios de trema, “k”, “w” ou “y”, como é comum em diversas fantasias. Decidi fazer uma coisa que não precisasse de guia de fala, que qualquer um pudesse ler e… enfim, entender. Por isso os personagens são Massimo, Dario, Ananias, Onça, Urso, Alba – entre outros mais exóticos, mas não inventados –, e, as cidades, Hibisco, Escarpa, Titã, Almíscar, Nebula.

яK BooK’s: Quais são suas expectativas quanto à publicação de O Sangue do Soberano?

Fabio: A princípio, nenhuma. Não enviei ainda pra nenhuma editora – está na revisão –, mas, quando enviar, espero só que alguém aceite publicar. Acho que o básico que qualquer autor gostaria em um trabalho do tipo… 

яK BooK’s: “Agora eu Morro” possui uma história intrigante, com um cenário apocalítico. Quem se propuser a ler O Sangue do Soberano poderá esperar por isso também, ou não há ligação nenhuma entre os livros?

Fabio: Não há ligação nenhuma. “Agora eu Morro” é uma história pós-apocalíptica, de ficção-científica e que se passa em nosso mundo. “O Sangue do Soberano” é uma fantasia que se passa em outro lugar, onde tudo é fictício. Tentei até mudar o estilo da narrativa… vamos ver no que dá!

O autor, na Bienal do Rio de Janeiro – 2011

яK BooK’s: Pode nos dizer um trecho do livro?

Fabio: Posso! Aí está uma cena que ocorre antes de uma luta, em que um homem que consegue se transformar em um urso, chamado genericamente por esse nome, estipula condições para a luta com o soberano, Massimo.

“Os dois andaram até o centro do círculo de tochas, Ananias ficando para trás, junto com o resto dos soldados. A movimentação pareceu aumentar, e as pessoas cochichavam sonoramente, embora fosse impossível compreender o que estavam dizendo. Teve um vislumbre de Barcas de Leon no meio dos soldados, assim como de muitos capitães. O general parecia extasiado com o que acontecia, e esperava ansiosamente pelo começo da luta.

— Que tal estabelecer algumas condições, antes de começarmos? – perguntou Massimo.

— Não vejo problema nisso.

— Está bem.

Os dois deram as duas mãos, cruzando-as uma sobre a outra, como que determinando que, quando as soltassem, o combate começaria. Olharam-se nos olhos.

— Deve ser uma disputa limpa e justa – disse o Poderoso.

— Claro.

— Sem utilização de armas – disse, apesar da adaga escondida na barra de sua calça.

O mutante jogou para o lado a espada que levava presa em um cinto. A multidão parecia ainda mais excitada.

— E, tratando-se de você, um mutante, sem a utilização de poderes sobrenaturais, ou o que quer que seja essa coisa que você e Onça têm – disse o soberano.

Ele deu de ombros.

— Diga que não vai usá-los – o soberano falou, sério.

— Não usarei meus “poderes”. Nem você, ó, Poderoso. Se é que você tem algum.

Algumas pessoas riram, à volta. Outras não entenderam o que havia sido dito, e eles cochicharam para espalhar a provocação.

— Por último, mas não menos importante: a luta termina ao primeiro sangue. Quem tiver conseguido infligir ao oponente o dano capaz de fazer verter sangue terá vencido – disse Massimo, sério. – Assim que isso acontecer, a luta é imediatamente terminada.

— Claro, claro.

— Estamos acertados então? – perguntou o soberano, prestes a soltar as mãos do outro. Urso segurou-as.

— Quase – disse ele. – Não tinha dito que teríamos de lutar em pé de igualdade?

— Sim, eu disse.

— Então vamos dar um jeito nisso – disse Urso, sorrindo, e apertou como nunca a mão direita do adversário. A esquerda dele estava enfaixada, parcialmente quebrada por um soco de Massimo, que agora tentava se soltar, em vão. O aperto era muito forte, e os olhos do homem à sua frente ficaram mais negros, indicando que sua transformação havia sido iniciada. Ele sorriu, e seus dentes encontravam-se mais pontiagudos do que deveriam. A força com que apertava a mão do outro era maior do que ele realmente tinha. Pelo menos, na forma humana.

— Filho da puta! – gritou Massimo, o Poderoso, enquanto tentava soltar sua mão, mas era tarde. A carne, volúvel, deixara que os ossos fossem segurados firmes pelos dedos do oponente, que apertou-os e fez com que chocassem uns contra os outros, duros, e, ante a força enorme, trincassem. O sorriso de Urso apenas fazia aumentar, enquanto amassava e esmagava a mão do soberano.”

яK BooK’s: Há previsões para o lançamento do livro novo, editora ou qualquer novidade que possa aguçar nossa vontade de lê-lo?

Fabio: Não. Não tem nada ainda. :\

A ilustração feita pelo próprio autor é uma das principais personagens do livro, uma onça.

яK BooK’s: O que pensa sobre a recente difusão da literatura nacional?

Fabio: O que eu posso dizer, sem ser completamente parcial? Acho que é ótimo! Os autores brasileiros têm muito a mostrar, e é muito bom, mesmo, que os próprios brasileiros estejam se dando conta, aos poucos, disso. Só espero que essa tendência continue crescendo!

яK BooK’s: Onde podemos encontrar novidades sobre seus projetos, adquirir livros e ficar por dentro de tudo?

Fabio: No meu blog! Lá normalmente tem de tudo que eu faço, além de algumas besteiras de brinde. É só dar uma olhada: http://www.fabiobrust.blogspot.com

яK BooK’s: Deixe um recado aos leitores do RK Books!

Fabio: Deixo! Espero que todo o pessoal que esteja lendo esse texto e tenha aguentado ler todas as coisas que eu sempre escrevo, que continuem lendo, e continuem apostando nos autores brasileiros. Tem muita coisa aqui que vale a pena ser lida!

Cinco livros que você deveria ler nas férias

Se você não é sortudo como eu, que por milagre terei um mês de férias (dancinha da vitória nerd), mas quer aproveitar as melhores leituras que esse mês pode oferecer… Bem, separei as dicas que acho importante para todo amante da leitura:

1.      A dança dos dragões – George R. R. Martin

 “Dead things in the woods, dead things in the water.”

Tenho algumas teorias sobre quem não sabe nada sobre As crônicas de gelo e fogo, elas incluem coma, sequestro alienígena, viagem no tempo, viagem espacial ou uma mistura das opções anteriores.

No quinto volume da série o autor retoma alguns personagens que não apareceram no quarto livro. Se você ainda não conseguiu colocar a série em dia, sim, eu não estou nem na metade do terceiro livro ainda – A tormenta de espadas – esta dica serve de convite para iniciar ou retomar a série mais vendida dos últimos tempos.

 

 

2.      O prisioneiro do céu – Carlos Ruiz Zafón

Minhas dicas são totalmente pessoais e baseadas em meu gosto literário, afinal, quem não faz isso?! O prisioneiro do céu é a continuação de um dos meus livros favoritos, se não for o favorito, A sombra do vento.

Zafón é um mestre apaixonado por livros e demonstra isso através da escrita com maestria. Sua Barcelona é recheada de mistérios e névoas de romance melancólico. De presente para os fãs de seu romance anterior ou anteriores se você contar com O jogo do anjo, ele revisita um dos locais mais bacanas já inventados na literatura: O cemitério dos livros esquecidos.

– Este lugar é um mistério, Daniel, um santuário. Cada livro, cada volume que vês, tem alma. A alma de quem o escreveu e a alma dos que o leram e viveram e sonharam com ele. Cada vez que um livro muda de mãos, cada vez que alguém desliza o olhar pelas suas páginas, o seu espírito cresce e torna-se forte. Há já muitos anos, quando o meu pai me trouxe pela primeira vez aqui, este lugar já era velho. Talvez tão velho como a própria cidade. Ninguém sabe de ciência certa desde quando existe, ou quem o criou. Dir-te-ei o que o meu pai me disse a mim. Quando uma biblioteca desaparece, quando uma livraria fecha as suas portas, quando um livro se perde no esquecimento, os que conhecemos este lugar, os guardiães, asseguramo-nos de que chegue aqui. Neste lugar, os livros de que já ninguém se lembra, os livros que se perderam no tempo, vivem para sempre, esperando chegar um dia às mãos de um novo leitor, de um novo espírito. Na loja nós vendemo-los e compramo-los, mas na realidade os livros não têm dono. Cada livro que aqui vês foi o melhor amigo de alguém.”

– A Sombra do Vento

3.      A fantástica literatura queer – Volume Amarelo

Essa coletânea é responsabilidade de Cristina Lasaitis e Rober Pinheiros, primeira tentativa de unir a literatura GLBT (GLS, GLBTT ou de A a Z) à literatura especulativa no Brasil, gênero muito bem sucedido em outros países, obrigado.

Personagens héteros, gays, bis, transexuais ou sem rótulo algum, que em base é a função principalmente dessa série que já conta com os volumes Vermelho e Laranja – a previsão é trazer todas as lindas cores do arco-íris -.

Se os livros não servirem para quebrar paradigmas e abrirem mente, não sei o que é capaz de fazer isso.

 

4.      Ruas estranhas – Vários

Muita gente vai torcer o nariz e virar a cabeça como a Linda Blair em O Exorcista, mas esse livro não está na lista por conta do nome de George Martin escrito em neon vermelho e 3D na capa, mas sim porque sou um fã antigo do gênero fantasia urbana, que é o tema dos contos nele presente.

Fantasia urbana é quando você geralmente usa uma cidade como cenário para tramas com fantasia. Coisas já vistas em True Blood ou em partes de Harry Potter. Não confunda Romance Sobrenatural com Fantasia Urbana, Fantasia Urbana sobrevive sem romances, casais água e açúcar e toda aquela pegação desnecessária entre as páginas.

No fim das contas Martin apenas escreveu a introdução da obra. Todos os autores participantes são conhecidos – nem todos no Brasil -. Os que mais me interessam são Charlaine Harris, autora de As crônicas de Sookie Stackhouse (adaptado pela HBO para True Blood); Conn Iggulden, romancista da série O Imperador e Diana Gabaldon, responsável pelos romances históricos da série Outlanter (Editora Rocco). E os outros não ficam nenhum pouco atrás desses grandes nomes.

5.      A visita cruel do tempo – Jennifer Egan

“É essa a realidade, não é? Vinte anos depois, a sua beleza já foi para o lixo, especialmente quando arrancaram fora metade das suas entranhas. O tempo é cruel, não é? Não é assim que se diz?”

 

Este livro é para os leitores um pouco mais experientes, mas não se limite a não lê-lo se você não for um. Jennifer Egan recebeu o Prêmio Pulitzer, muitíssimo merecido. O romance ou ‘ciclo de contos’ cobre cinquenta anos de história enquanto brinca com a cronologia.

O livro fala de Bennie, um talentoso executivo musical; Sasha,  a assistente cleptomaníaca e uma teia de outros personagens interessantes que hora são secundários, hora são protagonistas.

Cada capítulo, ou conto, é narrado por um personagem diferente e em escrita diferente. Primeira, segunda e terceira pessoa, além de slides do Power Point são utilizados de maneira perfeita.

O tempo é o que une os personagens, o tempo que é cruel e embalado em rock’n roll para ser digerido com menos dor, medo e angústia…  Ah, o tempo.

Aparentemente acabei enganando você, infelizmente nunca disse que seria totalmente fiel em indicar apenas cinco livros, pelas minhas contas chegam há uns 40 títulos se formos correr atrás das séries completas dos autores que eu citei ou as obras anteriores aos livros indicados.

Mas a leitura é isso, não? Sempre estar insatisfeito com a quantidade de coisas que ainda não lemos.

Minha lista não é absoluta e muita menos perfeita. Talvez eu não leia esses títulos, talvez eu puxe outro na estante da minha biblioteca ou empreste um livro de que nunca ouvi falar de um amigo da tia-avó.

Só te desejo duas coisas por hora: Boas férias e boas leituras!

Resenha | Estilhaça-me

TÍTULO: ESTILHAÇA-ME

AUTORA: TAHEREH MAFI

TÍTULO ORIGINAL: SHATTER-ME

EDITORA: NOVO CONCEITO

PÁGINAS: 304

SKOOB


Sexy, tenso e explosivo. Vai estilhaçar cada centímetro de sua mente, numa narrativa ousada e impecável.

Juliette está aprisionada.

Isso porque ela ousou tocar, ousou tentar ajudar, ousou duvidar que sua maldição ainda perpetuava-se.

Mas tudo está prestes a mudar, ela irá descobrir que nesse novo mundo em que vive, tudo pode ser revertido.

Sua maldição se tornará um Dom.

Seu toque, poder.

O que eles chamavam de mostro, e queriam ter como arma.

Se revoltará, e começará a rebelião.
A HISTÓRIA: Incrível, incrível, incrível. Esse ano, passei pela leitura de Destino – Matched, e Feios no ano passado, mas com certeza, a melhor distopia é Estilhaça-me.

A narrativa é impecável, conquista o leitor logo nas primeiras linhas, ao contrário de alguns livros, que é necessário aguentar algumas páginas de chatice para embalar a leitura.

A personalidade e a interação entre os personagens é incrível, os sentimentos afloram de tal forma que é impossível não se ligar neles e sentir o mesmo que cada um dos coadjuvantes.

Estilhaça-me deixa o leitor chocado, apaixonado, com medo, tenso, ansioso e mais uma cascata de sentimentos incríveis. O Mundo futurista criado pela Tahereh Mafi é ao mesmo tempo impensável, e possível. Todas aquelas coisas de destruição pela guerra, domínio militar, morte da biodiversidade, radiação nuclear, servem para incrementar ainda mais a narrativa, dando um clima todo especial.

Agora, só nos resta esperar pela continuação do livro, a qual a autora já postou uma foto do manuscrito na sua página do facebook.

UNRAVEL ME, cuja possível tradução será DESVENDA-ME, ainda não tem data para lançamento, mas podemos cruzar os dedos e torcer! \o/

A CAPA: Se na internet, a capa de Estilhaça-me já te deu uma vontade très louca de ler o livro, quando ver tudo impresso, u_u, multiplique-a por 9283733, porque é realmente incrível. Todas as partes cinzas da imagem, no livro físico, são metalizadas, ou seja, você fica horas e horas virando-o de um lado pro outro para ver tudo se refletir. *o*

UMA PALAVRA QUE DEFINIRIA O LIVRO: Inquietante.

BOOK TRAILER: De todas as artimanhas usadas na campanha publicitária de ESTILHAÇA-ME, a melhor de todas é, com certeza, o Book trailer do livro. Por isso, nãodeixem de dar uma conferida nele.

É MAGNÍFICO!

#CapasDaSemana | Brinquedos Mortais & Coração Maligno

Sangue…

Quem se atreve a dizer que uma capa repleta de sangue não chama a atenção?

Mesmo que você passe por ela, dê aquela olhada de “Ai que nooojooo”, empine a cabeça e siga em frente. Você vai ser impactado e, quem sabe, vai dar uma espiadinha no conteúdo dos livros.

Hoje trago para vocês a capa de Brinquedos Mortais da editora DRACO, que é uma coletânea de contos de autores Nacionais. E também, Coração Maligno, da Chelsea Cain, que é o terceiro e último de uma trilogia incrível, sexy e assustadora. Continuar lendo

#CapasDaSemana | Heaven, Travessia, Romeo Redeemed & O Signo Oculto

Olá Pessoal!

Semana passada não consegui postar absolutamente nada no blog. A facul está uma correria danada, afinal, minha matrícula foi tardia e tenho que recuperar 2 semanas de aula. :S
Por isso, o post CAPAS DA SEMANA terá 4 capas, para compensar as duas semanas perdidas. Continuar lendo

Resenha | Destino – Matched

TÍTULO: DESTINO

SÉRIE: A SOCIEDADE

AUTORA: ALLY CONDIE

EDITORA: SUMA DE LETRAS

PÁGINAS: 240

SKOOB: http://www.skoob.com.br/livro/151933


Uma possibilidade assustadora, criativa e extremamente impactante. Continuar lendo

#CapasDaSemana | Incarnate & Neon Azul

Olá Pessoal!

Á partir de Hoje, toda semana, criarei um novo post com duas capas.

Uma internacional, e outra, de um livro nacional.

Essa coluna tem como objetivo mostrar a beleza, ou a feiura, das capas que andam decorando os livros pelo mundo à fora.

Os posts não conterão a sinopse dos livros, se algum dos mencionados já tiver sido mencionado ou resenhado aqui no blog, no título do mesmo haverá um link para a resenha/sinopse, caso contrário, curtam e depois, vão à caça! hehe! Continuar lendo

#ValeConferir | The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore

A premiação do Oscar aconteceu e… um ganhador que surpreendeu a todos foi, com certeza, o vídeo:

The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore

(Os fantásticos livros voadores do Sr. Morris Lessmore)

Esse é um curta que fala um pouco sobre o poder que os livros têm de transformar a vida das pessoas e foi premiado na categoria de Melhor Curta de Animação.

Confesso que não estava muito ansioso pra vê-lo, mas logo me arrependi pois o video é MARAVILHOSO! Ainda mais se for um doido pro livros e quer deixar todo mundo igual a você.

Sem mais enrolação, assistam, se emocionem e percam as palavras… Continuar lendo

#Novidades | Capa de Garota Replay – Tammy Luciano

E…

Já faz algum tempo que estamos esperando a capa de Garota Replay da Tammy Luciano.

Desde que a editora Novo Conceito avisou que lançaria o livro dela, deixou todos os leitores hiperansiosos.

Mas, finalmente saiu!

Confiram a capa e a sinopse do livro: Continuar lendo

Resenha | Amor, Maybe


TÍTULO: AMOR, MAYBE

AUTORA: FRANCINE CRUZ

EDITORA: ÍCONE

PÁGINAS: 304

SKOOB: http://www.skoob.com.br/livro/185137


Um amor, duas vidas, empecilhos. Muitos empecilhos. Continuar lendo

Resenha | A Iniciação

TÍTULO: A INICIAÇÃO

SÉRIE: CÍRCULO SECRETO

AUTORA: L.J. SMITH

EDITORA: GALERA RECORD

PÁGINAS: 256

SKOOB: http://www.skoob.com.br/livro/181466


O poder seduz, e o amor pode ser uma armadilha mortal… Continuar lendo

Resenha | Ventos Poéticos

TÍTULO: VENTOS POÉTICOS

AUTORES: (AH, UM MONTES DELES… lista aqui)

ORGANIZADOR: CRISTIANO ROSA

EDITORA: LITERATA

PÁGINAS: 100

SKOOB: http://www.skoob.com.br/livro/192733

BLOG OFICIAL: http://ventospoeticos.wordpress.com/


Sublime, Cativante e Inspirador… Continuar lendo

#Resenha | Pimenta & Cereja – Doce Ardor

 TÍTULO: DOCE ARDOR

SÉRIE: PIMENTA & CEREJA #01

AUTORA: PATTY KIRSCHE

EDITORA: CLUBE DOS AUTORES

PÁGINAS: 396

SKOOB

Ágil, Sexy E Viciante.

Uma Mistura Sincronizada E Impactante Opostos Numa Narrativa Impecável. Continuar lendo

#EuCriei | O Abandono do Amor

Entre amigos, colegas de classe, companheiros de trabalho, desconhecidos, já ouvi muitas, muitas e muitas vezes a frase: “Eu preciso esquecer aquele amor”.

Aí eu penso: Esquecer pra quê? O amor é algo tão lindo, sublime e tempestuoso. Pra quê jogar algo assim fora? Continuar lendo

Hora do Wallpaper!

Olá Pessoal!

Faz um tempo, enorme, que não posto wallpapers aqui. :S

Mas, pra quem fica ligado na página do blog no facebook (https://www.facebook.com/booksrk), vai perceber que eles continuam sendo postados.

Agora, tentarei, pelo menos uma vez na semana, atualizar vocês sobre as novidades. Mas, para quem quer recebê-los em primeira mão, o melhor é curtir a página.

Hoje, na bandeja, teremos Panic! At The Disco; O Substituto; Marcada a Fogo; The Vampire Diaries; Destino Íntimo; A Invenção de Hugo Cabret; Essência – Encontro de Almas; A Lenda de Högni; Destino e Crossed. Continuar lendo

#HiperNovidade | Novo Colunista do Blog! *-*

Não sei criticar filmes.

Isso mesmo. Não sei e assumo esta realidade. :/

Posso falar de livros, da vida alheia, de seriados, musicas e tudo o mais que você imaginar.

Mas quando chega a hora de resenhar algum filme, simplesmente travo, engasgo e, bom, não sai nada.

Pergunto-me sempre o porquê disso e, não imagino o motivo. Só sei que, por mais que tente, não consigo definir em palavras o que assisti. Por exemplo: Fui ver Alvin e Os Esquilos 3 e também a produção nacional Dois Coelhos. Gostei infinitamente de ambos, mas, não dá para explicar os meus motivos. Haha! #ZeroPraMim

Por causa de todo esse bloqueio cinematográfico, comecei a procurar alguém que, na minha opinião, fosse crítico, sarcástico, não se importasse nem um pouco com a opinião dos outros e, soubesse o suficiente de cinema para ter uma coluna aqui no blog. Continuar lendo

Resenha | Destino Íntimo – Uma Jornada ao Pulsar de Um Estranho

TÍTULO: UMA JORNADA AO PULSAR DE UM ENTRANHO

SÉRIE: DESTINO ÍNTIMO

AUTORA: GISELE GALINDO

EDITORA: LITERATA

PÁGINAS: 258

SKOOB: http://www.skoob.com.br/livro/145007

BLOG DA SÉRIE


Pulsante, sexy e assustador… Continuar lendo

#Vêm aí | Crônicas da Fantasia e Essência

Olá Pessoal!

A editora Literata liberou, oficialmente, as capas de dois hiper lançamentos deste ano! Confiram as capas e as sinopses: Continuar lendo

#VemAí | Beijada Por um Anjo – Revelações & Um Mundo Brilhante

E, enfim, a editora NOVO CONCEITO liberou, hoje a tarde em seu facebook, a tão esperada capa de BEIJADA POR UM ANJO 5 – REVELAÇÕES e também a de UM MUNDO BRILHANTE!

Vejam abaixo a sinopse e o trabalho MARAVILHOSO que eles fizeram nas capas. Continuar lendo

#EuCriei | Crepúsculo – Por que Tantos Odeiam?

Ultimamente comecei a me perguntar: “Por que as pessoas odeiam tanto a saga Crepúsculo?”.

E foi aí que resolvi escrever este post.

Livro 01 - Twilight (Crepúsculo)

Crepúsculo foi lançado oficialmente nos EUA em 2005. Três anos depois, em 2008, chegou ao Brasil pela editora INTRÍNSECA.
De lá para cá, a série arrebentou de vender. Lembro-me muito bem de passar num dia em frente a livraria NOBEL da minha cidade e ver pilhas e mais pilhas dos livros da saga. E. no outro dia passar novamente e ver, bem, as pilhas quase que totalmente desaparecidas.

Crepúsculo foi um livro que você via as pessoas lendo na escola, na rua, no ônibus, no trabalho, nos pontos de ônibus e, se bobear até nas igrejas. Foi uma febre que explodiu, criou centenas de fãs para a literatura fantástica e mostrou aos adolescentes que ler não era aquele monstrengo terrível, de 50 cabeças e oitenta braços. Crepúsculo renovou o mercado literário no mundo todo.

E então, surgiram as adaptações cinematográficas. Continuar lendo

Resenha | Fábrica de Diplomas

TÍTULO: FÁBRICA DE DIPLOMAS

AUTOR: FELIPE PENA

EDITORA: RECORD

PÁGINAS: 336

SKOOB

TWITTER AUTOR: @felipepena


Uma história cotidiana, transformada em algo inteligente e inovador… Continuar lendo

#VemAí | A Semente de Nalini (A Walk Across The Sun)

Olá Pessoal!

Esse ano de 2012 está prometendo, e muito, ótimos livros para o entretenimento de nós, leitores do Brasil!
As editoras estão buscando inovar cada vez mais e trazer lançamentos incríveis e com temáticas diferenciadas para todos os viciados em boa leitura. Continuar lendo

#EuCriei | O Homem Apaixonado

Olá Pessoal!

O post de Ano Novo (Esse akeeeeeee) foi um #HIPERSUCESSO!

Muita gente começou a pedir que eu escrevesse coisas parecidas e talz.
Bom, resolvi abrir mais uma #Tag aqui no blog, além do #MomentoMúsica e do #MomentoSérie, teremos agora o #EuCriei.
Aqui começarei a postar poemas que eu fiz, textos reflexivos e devaneios da minha mente pirada e adolescente.

Seguindo o clima de #ForeverLove que parece estar desabrochando entre meus amigos, resolvi tirar uma coisa do fundo do baú, dos meus tempos de 7ª/8ª série (isso, uns 4 anos atrás) e postar aqui.
É um poema que cirei, que fala um pouco sobre o amor e talz, como estou morrendo de vergonha nem vou falar muito.
Se não gostarem do momento #EuCriei, reclamem com todo o pessoal que se empolgou no ano novo. husahsauhas!
Antes do Poema tem um pequeno texto sobre o amor, logo depois, deliciem-se com a vergonha alheia… haha! Continuar lendo

Resenha | A Galeria Wilson

TÍTULO: A GALERIA WILSON

AUTOR: MAICON TENFEN

EDITORA: GRYPHUS

PÁGINAS: 232

SKOOB

FACEBOOK (Editora)

SITE (Autor)


Intrigante, um romance capaz de prender e fazer o leitor fantasiar possibilidades muito além da página final. Continuar lendo