Resenha | Exorcismos, Amores e uma Dose de Blues – Eric Novello

Capa ExorcismosTÍTULO: Exorcismos, Amores e uma Dose de Blues
AUTOR: Eric Novello
EDITORA: Gutenberg
PÁGINAS: 336
COMPRAR: Saraiva | Submarino

 

 My happy little pill | Take me away, dry my eyes | Bring color to my skies
My sweet little pill | Take my hunger, lie within | Numb my skin


Narrativas superficiais, personagens sem personalidade e histórias clichês são alguns dos grandes problemas que assolam a literatura atualmente.
Livros onde o autor não gera emoção no leitor e faz a leitura ser só mais um passatempo chato para desocupados parecem se multiplicar como Gremlins.

Há um bom tempo eu estava bem desanimado para começar a ler qualquer livro por esses e outros diversos motivos. Tudo parecia ser o mesmo miojo sem tempero, feito em três minutos só pra dar uma enganada na fome.
Mas em meio a esse mundo de histórias mal escritas, ler o Exorcismo foi uma surpresa maravilhosa. Enquanto a maioria dos livros demora em torno de 20, 30, 50 ou até 100 páginas para se tornar realmente interessante, isso quando se torna, o autor conseguiu na primeira página chamar minha atenção. Ao invés de me deparar com um miojinho sem sal, parecia que eu havia sentado em uma mesa de banquete, repleta de fartura, com os mais diversos tipos de texturas e sabores. Continuar lendo

Anúncios

O segredo de John Green

Em meio a livros eróticos e romances açucarados, o autor vem conquistando o Brasil com obras que relatam o descobrimento e os dramas da juventude. John Green introduz de maneira eficaz o Young Adult no país, gênero que não ofende a inteligência dos mais maduros e apresenta histórias mais elaboradas que os clássicos juvenis.

O mundo literário vive uma fase em que achar um livro sem um triângulo amoroso é tão aliviante quanto se livrar de uma azia.  É uma fórmula mais que batida, mas que de alguma maneira que eu não compreendo  consegue vender muito.

John Green vai salvar você que se sentia como eu. É refrescante, e esse é o segredo. Conheça os livros lançados no por aqui:

a-culpa-e-das-estrelas

A Culpa é das Estrelas

 Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

O que achei?  Esse é um dos livros mais sensíveis que você provavelmente lerá na vida.  São personagens únicos, carismáticos que lutam contra as estáticas que oscilam entre vida e morte.  Prepare-se para ótimos diálogos e momentos de emoção.

Quem é Você, Alasca?Layout 1

Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras que, cansado de sua vidinha pacata e sem graça em casa, vai estudar num colégio interno à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o “Grande Talvez”. Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young, uma garota inteligente, espirituosa, problemática e extremamente sensual, que o levará para o seu labirinto e o catapultará em direção ao “Grande Talvez”.

O que achei?  Esse é um livro que apresenta todos os questionamentos comuns sobre a existência e suas vertentes. Religião, amizade e perdas…  Quem nunca refletiu sobre?

WillWill

Will & Will

 Em uma noite fria, numa improvável esquina de Chicago, Will Grayson encontra… Will Grayson. Os dois adolescentes dividem o mesmo nome. E, aparentemente, apenas isso os une. Mas mesmo circulando em ambientes completamente diferentes, os dois estão prestes a embarcar em um aventura de épicas proporções. O mais fabuloso musical a jamais ser apresentado nos palcos politicamente corretos do ensino médio.

O que achei?   Não é bom. É fabuloso. Esse sim é o melhor livro da lista. Escrito em parceria com David Levithan, Green mostra uma habilidade até então desconhecida: Fazer rir.  A história engraçada, inteligente e graciosa. Além de tratar os gays como deveria: com igualdade de direito e espírito.

O-Teorema-Katherine O Teorema de Katerine

Após o mais recente e traumático pé na bunda, o Colin que só namora Katherines resolve cair na estrada. Dirigindo o Rabecão de Satã, com seu caderninho de anotações no bolso e o melhor amigo no carona, o ex-garoto prodígio, viciado em anagramas e PhD em levar o fora, descobre sua verdadeira missão: elaborar e comprovar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines, que tornará possível antever, através da linguagem universal da matemática, o desfecho de qualquer relacionamento antes mesmo que as duas pessoas se conheçam,

O que achei?  Imagina namorar 19 pessoas com mesmo nome. Curioso, não é? Esse é único bom argumento desse livro. Sendo o mais fraco da lista, o autor erra a mão e entrega uma história com potencial, mas muito maçante.

Ainda esse mês será lançado pela editora Intrínseca o livro Cidades de Papel, que foi vencedor do prêmio Edgar de Melhor Romance de Mistério Juvenil.  Na trama, Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Até que um Margo invade sua vida pela janela de seu quarto, propondo a Quentin que ele a ajude em um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita.

#Resenha | FADE OUT – Suicídio sem Dor

Fade out - suicidio sem dorTÍTULO: FADE OUT – SUICÍDIO SEM DOR

AUTORES:
BETO SKUBS
RAFAEL DELATORRE
MARCELO MAIOLO

PÁGINAS: 64

GÊNERO: HQ

FACEBOOK

SKOOB


Fade out suicidio sem dor

Bem planejado, cativante e com uma narrativa instigante. Um balanceamento perfeito entre história, imagem e cor.

Já passou por aquele momento maluco que você pensou em se matar? Seja sincero(a), por alguns segundos já, não é?fadeout_01

Kurt tem um pequeno problema, ele quer se suicidar, cansou de viver, porém ele não gostou do gosto da arma (“Minha vida é uma já é uma bosta, eu quero me matar e ainda tenho que morrer com gosto ruim?”), tem pavor do inferno (“Será que eu vou pro inferno se eu cometer suicídio? Imagina que cagada”), não quer deixar seus pais e amigos desolados e… bom, o que fazer?

fadeout_02Pra ajudar, ele tem uma namorada entranha pra c@%@/#0, conheceu uma garota linda de morrer, o seu teenage dream, e tem que pegar um serial killer que anda matando Assistentes Sociais e, bom, a mãe dele é uma assistente social.

Uma narrativa em ritmo acelerado, muito bem ilustrada, com um personagem cativante, que é basicamente uma reprodução da nossa geração, a geração Y, cheio de dúvidas, questionamentos e sonhos.

Vale cada segundo usado na leitura.

#Resenha + #VídeoResenha | A Possessão do Sr. Cave

a-possessao-do-sr-caveTÍTULO: A POSSESSÃO DO SR. CAVE

AUTOR: MATT HAIG

TÍTULO ORIGINAL: THE POSSESSION OF MR CAVE

EDITORA: RECORD

PÁGINAS: 272

SKOOB

COMPRE JÁ


Apesar de todos os indícios, este não é um livro com exorcismo e cabeças girando 360 graus. Ele fala de morte e de como o luto pode mudar a mente daqueles que estão sob este processo natural da vida.

A escrita é feita em forma de carta por Terecence Cave desde o momento em que perde seu filho Reuben, irmão gêmeo de Briony. Quando uma mulher perde o esposo é chamada de viúva, quando um filho perde os pais é chamado de órfão, mas quando Terence perde seu filho, vítima de bulliyng, não há nomenclatura.

O Sr. Cave já é viúvo e agora a única coisa que lhe resta no mundo é Bryony, uma jovem dotada de dom musical; Que a qualquer custo será protegida por seu pai. É aí que reside a trama principal, a superproteção.

A escolha do sobrenome do personagem, caverna em inglês, deixa bem claro que Terence está vazio e ao longo da trama vai se enchendo de medo e do desejo de controlar a vida da filha em todos os aspectos possíveis. Como criar algo sem saber tudo sobre a criatura? Esse é o peso sobre as costas de Terence que vai sendo jogado sem medida para o leitor.

A possessão do título refere-se tanto à loucura que vai tomando conta das atitudes do Sr. Cave quanto dos flashes que ele vai tendo da vida do filho falecido. Vale dizer que isso não é spoiler, já que o suspense da trama está na tentativa de descobrir se é real ou está acontecendo dentro da mente perturbada de nosso personagem, não pude deixar de lembrar Outra volta do parafuso de Henry James.

O clima do livro é cinzento, assim como a Inglaterra e a maioria dos dramas envolvendo perda, e aqui aproveito para indicar outras duas obras que tocam esse assunto: Precisamos falar sobre o Kevin e Mathilda Savitch.

É um livro de terror. Terror de coisas possíveis que podem chegar para qualquer ser humano vivo.

E Não deixem de conferir a minha vídeo resenha do livro. (Ótima para quem queria saber como eu sou ao vivo e em cores.)

#Resenha| Procura-se um Marido

Procura-se um maridoTÍTULO: PROCURA-SE UM MARIDO

AUTORA: CARINA RISSI

EDITORA: VERUS

PÁGINAS:

SKOOB

FACEBOOK

COMPRAR


Uma joia deliciosa de se ler, fluente e brilhante que prende você do inicio ao fim.

Desde seu lançamento, fiquei muito curiosa para ler esse livro, seu gênero e tipo de escrita está sempre entre os meus favoritos. Primeiro livro da autora Carina Rissi chama-se “Perdida”, que estourou na internet e se tornou best-seller até na Alemanha e agora com sua segunda obra,  “Procura-se um Marido” provou que veio pra ficar e conquistar.

O livro traz a história de Alicia, garota aventureira, que só pensa em curtir a vida em viagens, festas e baladas. É herdeira de uma das maiores fortunas do mundo. Ela é neta do vô Narciso, carinhosamente chamado assim por ela, patriarca da família “Moraes de Bragança e Lima”. Com a morte precoce de seus pais quando tinha cinco anos, ela foi viver com seu avô que assumiu sua criação.

Porém com a morte do seu avô sua vida muda completamente, pois para  Alicia receber toda sua fortuna como é de direito, ela vai ter que obedecer uma pequena cláusula do testamento de seu avô, que diz que ela vai ter que trabalhar, vivendo de seu salário apenas, assumindo suas responsabilidades, maturidade e “casando-se”. Completamente perdida e sem chão ela a principio não sabe como agir e o que fazer, mas aí ela tem uma ideia genial: Alugar um marido. A partir daí começa a grande aventura de Alicia,  onde ela tem que aprender a viver num mundo totalmente diferente do seu e que surpreende não só a ela, mas como a todos que tem capacidade. força e muito talento.

Carina Rissi é uma autora fantástica, por que nos trouxe uma leitura deliciosa, fácil, leve, divertida e apaixonante, elementos que particularmente pra mim  são fundamentais para que esse tipo de romance flua e não se torne muito clichê, por tanto me conquistou pra valer!!!

Então torno a repetir, é uma joia deliciosa de se ler, fluente e brilhante que prende você do inicio ao fim comprovando que Rissi veio pra ficar, RECOMENDADÍSSIMO!!!!!

Beijos e até a próxima…<3

#Entrevista com Larissa Siriani

Oi pessoas! Aqui é o Willian passando de novo para deixar outra entrevista que fiz esses tempos. Para quem não viu, a última foi com a Marcela Tissot (do Projeto IMAGINE). Dessa vez o bate-papo será com a Larissa; com 20 anos, é blogueira, estudante de cinema e escritora, tendo já no publicado os livros ARDENTE PERIGOTODA GAROTA QUERVERMELHO SANGUE AS BRUXAS DE OXFORD – esse último, em especial, será relançado esse ano; saiba mais sobre o evento.

Então sem mais delongas; pra quem ainda não conhece, um pouquinho da Larissa:

Continuar lendo

#SessãoPipoca | Os 10 Melhores Filmes Gays

Milk - Filme10-  Milk – A voz da igualdade.

Do que se trata? Uma cinebiografia de Harvey Milk (1930-1978), político norte-americano que assumiu sua homossexualidade publicamente nos anos 70, sendo o primeiro homossexual assumido a ser eleito a um cargo público nos Estados Unidos.

Porque é bom? : A busca pelos direitos sempre foi ( e ainda é ) constante na comunidade GLBT. Milk foi uma das principais figuras da história a lutar e contra um sistema altamente repressor. Vale a pena se inspirar pela tocante  história e pela maravilhosa e premiada atuação de Sean Pean.


patrik-age-1-5_Patrick 1.5

9 – Patrick 1.5

Do que se trata? O casal gay Göran e Sven conseguiu permissão para adotar Patrik, um órfão sueco de um ano e seis meses. Mas quando o menino chega, ele não é bem o que eles esperavam. Houve um erro na idade do garoto, e os pais receberam um jovem homofóbico de 15 anos com um passado criminoso.

Porque é bom?  Esse filme surpreende em mostrar um momento na vida de casais homossexuais pouco explorado pelo cinema: A construção da família.  Obviamente aqui nada sai como o planejado, mas deixa lições valiosas sobre a vida e as vertentes do amor.


Má Educação8 – Má Educação

Do que se trata?  Quando criança, Inacio (Gael Garecia Bernal) estudou em um colégio interno católico. Lá ele sofreu abusos sexuais por parte de seu professor de literatura, o padre Manolo (Daniel Giménez Cacho), que marcaram sua vida para sempre. Ignacio se apaixona por um colega de colégio, Enrique (Fele Martinéz), que termina sendo expulso. Vinte anos mais tarde, os três personagens se reencontram. Este reencontro marcará não só a vida, mas também a morte de alguns deles.

Porque é bom?  O filme é dirigido pelo excelente Pedro Almodóvar  que possuí um estilo único de contar suas histórias. Nessa em especial, ele surpreende com um humor negro cheio de críticas e reviravoltas.


O_Golpista_do_Ano7 – O Golpista do ano

Do que se trata?  Steven Russell (Jim Carrey) é um homem que tem uma vida feliz ao lado de sua mulher (Leslie Mann). Mas quando ele sobrevive a um grave acidente de carro, sua vida muda para sempre. Steven assume que é gay e decide aproveitar tudo o que a vida pode lhe oferecer de melhor, nem que para isso tenha que dar alguns golpes

Porque é bom?  Por incrível que pareça essa é uma história real que foi muito bem adaptada para o cinema. Sem dúvidas é o filme mais engraçado que já vi sobre o tema . Apresenta um ótimo trabalho do rei da comédia Jim Carrey, uma atuação memorável de  Ewan McGregor e uma participação curiosa de Rodrigo Santoro.


24494_116 –  Amores Imaginários

Do que se trata?  Francis e Marie são amigos inseparáveis. No entanto, suas vidas mudam quando conhecem Nicolas, charmoso rapaz do interior que acaba de se mudar para Montreal. Um encontro se sucede ao outro – seriam eles imaginários? – e os três logo se tornam um grupo inseparável. Mas Francis e Marie, ambos apaixonados por Nicolas, desenvolvem fantasias obsessivas em torno de seu objeto de desejo comum. À medida que atravessam as típicas fases da paixão, embarcam numa verdadeira disputa pela atenção do rapaz, comprometendo sua antiga amizade.amores imaginarios

Porque é bom?   O filme é um estudo sobre o “se apaixonar”.  Seguimos todas etapas  de uma história de amor – Primeiro encontro, encantamento , as ilusões, as  desilusões  e lágrimas – tudo isso em um roteiro muito afiado com ótimos diálogos.  “Amores Imaginários” é dirigido e roteirizado por um jovem chamado Xavier Dolan que você certamente ouvirá a respeito.


Shelter movie5 –  De repente, Califórnia

Do que se trata?  Forçado a desistir da escola de artes, Zach passa seus dias trabalhando num emprego sem futuro e ajudando sua irmã a cuidar do filho dela. Nas horas livres ele surfa, desenha e sai com seu melhor amigo, Gabe, que mora no lado nobre da cidade. Quando o irmão mais velho de Gabe, Shaun, volta pra casa, ele é atraído pela falta de auto-estima e o talento de Zach. Zach se apaixona por Shaun enquanto luta para reconciliar seus próprios desejos com as necessidades de sua família.

Porque é bom?   Sabe aquele seu filme preferido que passa na sessão da tarde? Aquele que pode ser exibido mil vezes que você vai parar para assisti-lo?  “De repente, Califórnia”  é um desses filmes. Doce, divertido e levado de maneira serena, porém tocante, a história dos  dois surfistas que se apaixonaram é tão gostosa quanto uma  manhã em uma bela praia.


the big gay musical4- The Big Gay Musical

Do que se trata? Paul e Eddie apenas começaram amostra para o novo musical Off-Broadway “Adam e Steve Just the Way God Made” e suas vidas estranhamente  se tornam  o espelho dos personagens  que estão atuando. Paulo está procurando o homem perfeito e Eddie de como lidar com sua sexualidade e fé.

Porque é bom?   Pouco conhecido entre os brasileiros, “The Big Gay Musical” foi um dos grandes hits do festival de  Sunrise  em 2009.  Trazendo um roteiro muito inteligente (o que foi uma surpresa para os críticos ), o filme aborda todas as principais polêmicas e controversas sobre assuntos relacionados ao público gay. Tudo isso embalado por ótimas e divertidas canções.


Contra-Corrente filme3 – ContraCorrente

 

Do que se trata? Miguel (Cristian Mercado) é um homem respeitado na vila de pescadores onde vive com sua esposa Mariela (Tatiana Astengo), que está grávida do primeiro filho do casal. Embora viva bem com a esposa, Miguel tem um caso secreto com um artista forasteiro, Santiago (Manolo Cardona), chamado pelas costas pelo povo do vilarejo de ‘Príncipe Encantado’. Quando a história toma um rumo sobrenatural, Mariela começa a questionar Miguel, que eventualmente terá de decidir se é homem suficiente para assumir a sua sexualidade.

Porque é bom?   Esqueça qualquer tipo de clichê destinado aos casais gays em filmes, aqui é diferente, é, de uma maneira peculiar, muito próximo a realidade ou que esperamos dela. Temos uma bela paisagem, atores bem escolhidos e roteiro muito sensível. Um conjunto que emociona, e muito.


Shortbus - filme2 – Shortbus

Do que se trata?   Sofia (Sook-Yin Lee) é uma terapeuta de casais que nunca teve um orgasmo. Entre seus pacientes estão James (Paul Dawson) e Jamie (PH DeBoy), que mantém uma relação que começa a dar passos maiores. Há ainda Severin (Lindsay Beamish), uma dominatrix que mantém sua vida em segredo e não se abre para as pessoas. Eles se encontram regularmente no Shortbus, um clube underground onde arte, música, política e sexo se misturamshortbus

Porque é bom?    Já dizia Marilyn Monroe  “O sexo faz parte da natureza. Eu só sigo a natureza” . E é  disso que se trata “Shortbus”,  vários personagens seguindo e descobrindo  a natureza sexual em uma sociedade que se diz cada vez mais livre, mas que pode sufocar.  Um aviso: Esse filme contém cenas de sexo explícito, que fiquem longe os puritanos.


O segredo de Brokeback mountain1  – O Segredo de Brokeback Mountain

Do que se trata?   Jack Twist (Jake Gyllenhaal) e Ennis Del Mar (Heath Ledger) são dois jovens que se conhecem no verão de 1963, após serem contratados para cuidar das ovelhas de Joe Aguirre (Randy Quaid) em Brokeback Mountain.

Jack deseja ser cowboy e está trabalhando no local pelo 2º ano seguido, enquanto que Ennie pretende se casar com Alma (Michelle Williams) tão logo o verão acabe.

Vivendo isolados por semanas, eles se tornam cada vez mais amigos e iniciam um relacionamento amoroso.

Ao término do verão cada um segue sua vida, mas o período vivido naquele verão irá marcar suas vidas para sempre.bbmountain

Porque é bom?    Nenhum filme da lista supera o poder de “Brokeback Mountain”. Aplaudido de pé pela crítica e público, esse foi um dos primeiros  filmes com  temática gay a  ser levado à porta das pessoas, sem elas procurarem.  Gerou reflexão, discussão e plantou uma semente na mente de muita gente. A semente do direito de amar, independente do sexo.

#Resenha | Sob a Redoma

Sob a RedomaTÍTULO: SOB A REDOMA

AUTOR: STEPHEN KING

TÍTULO ORIGINAL: UNDER THE DOME

PÁGINAS: 960

EDITORA: SUMA DE LETRAS

SKOOB

COMPRE


O Big Brother de Stephen King…

King dispensa apresentações, autor de diversos sucessos e figura obrigatória nas prateleiras dos leitores mais ávidos, o mestre em gerar medo e criar mitos já é uma lenda vida. Em seu último romance lançado no Brasil, Stephen mostra que muitas vezes o ser humano é mais assombroso que o sobrenatural. E é esse o grande barato de Sob A Redoma.

Stephen King

O Autor

Na trama, em um dia como outro qualquer em Chester’s Mill, no Maine, a pequena cidade é subitamente isolada do resto do mundo por um campo de força invisível. Aviões explodem quando tentam atravessá-lo e pessoas trabalhando em cidades vizinhas são separadas de suas famílias. Ninguém consegue entender o que é esta barreira, de onde ela veio e quando — ou se — ela irá desaparecer.

A forma como os moradores da cidade lidam com essa chamada “crise” é o tema central do livro. O confinamento faz os medos, receios, defeitos e passados se emergirem ao extremo ao tentar lidar com a situação, diretrizes e regras impostas pelo espaço.
O que vemos é uma interessante análise do poder, cheia de claras críticas ao governo Bush. Uma potente reflexão sobre as ações humanas. E uma narrativa que beira a perfeição, com ótimos personagens.

A leitura de Sob a Redoma é muito gostosa porque é ágil. A fagulha que dá origem ao caos total vai se desenrolando aos nossos olhos até chegar ao ápice. É como um reality show, mas sem o chato do Pedro Bial.

Curiosidade: Já está confirmada uma série produzida pelo canal americano CBS, com 13 episódios confirmados e estréia prevista para 24 de junho, ainda deste ano.

#Resenha | Suicidas

Antes (ou depois) de ler a resenha, não deixem de conferir a incrível entrevista que foi feita com o autor aqui para o blog! >AQUI<


capa-do-livro-suicidas-de-raphael-montesTÍTULO: SUICIDAS

AUTOR: RAPHAEL MONTES

EDITORA: BENVIRÁ

PÁGINAS: 488

SKOOB

FACEBOOK

COMPRE


Suicidas é um uma cereja – deliciosa – de alta qualidade sobre a maioria das obras produzidas sem cuidado editorial no país. Qualidade literária de um autor iniciante abaixo da linha do Equador é um colírio nos olhos de qualquer leitor.
     O ponto de partida para o livro é o mistério envolvendo o suicídio de nove jovens cariocas, os motivos individuais e do grupo são trabalhados com cuidado ao longo das 487 páginas.
     Três linhas narrativas diferentes são usadas para contar a história e manter a trama no ritmo perfeito de pageturner. Alessandro Parentoni é o personagem responsável por direcionar o leitor através suas anotações anteriores à roleta-russa e com seu livro que narra os acontecimentos dentro do porão onde os corpos foram encontrados, a terceira narrativa vem das gravações realizadas pela delegada Guimarães com as mães dos suicidas durante uma longa entrevista realizada um ano após o suicídio.

     Seguir sob uma narração bem feita em primeira pessoa é muito bacana dentro de livros policiais, permite acreditar e ver somente o que o narrador diz, criando assim milhares de outras peças para o quebra cabeça fora desse ponto de vista.

O Autor

O Autor

      Todos têm segredos e a juventude ainda sofre com tabus que lhe cercam diariamente, em qualquer canto do planeta independente da classe social ou religião, e não é diferente com os personagens que decidem deixar esse mundo de forma repentina.
     Raphael deixa claro que ninguém conhece realmente ninguém e mistura temas ainda evitados no século XXI, tais como bissexualidade, Síndrome de Down e psicopatia por si só.
     A obra parece uma versão atual e melhorada para – o clássico, o amado, o aclamado! – O caso dos dez negrinhos na escrita inteligente de Martin Amis, invertendo os subgêneros dentro da secular arte da literatura de mistério. Qualidade e diversão garantida.

#Entrevista com Marcela Tissot | Projeto IMAGINE

Oi pessoal! To passando aqui hoje pra deixar com vocês a entrevista que fiz com a Marcela Tissot, a idealizadora do Projeto IMAGINE que, com a ajuda de seus amigos – agora como equipe – colocam na rua cantores levando sua música a lugares bem legais e diferentes daqui de São Paulo. A iniciativa sem fins lucrativos já produziu até hoje doze vídeos que estão no YouTube para qualquer um que quiser assistir.

Que tal conhecer um pouquinho mais sobre essa iniciativa; e que jeito melhor de fazer isso do que conversando com a criadora de tudo?

Continuar lendo

#Resenha | O Lado Bom Da Vida

O Lado Bom Da VidaTÍTULO: O LADO BOM DA VIDA

AUTOR: MATTHEW QUICK

TÍTULO ORIGINAL: SILVER LININGS PLAYBOOK

EDITORA: INTRÍNSECA

PÁGINAS: 256

SKOOB


Toda a obra desperta sentimentos positivos em você…

É interessante começar a resenha ressaltando o quão seletiva é a editora Intrínseca, que vêem trazendo para o mercado nacional grandes e curiosos títulos como A culpa é das estrelas, Os deixados para trás, Mathilda Savitch, o estrondoso sucesso Cinqüenta tons de cinza, e ,é claro, O Lado bom Da vida.

O lado bom da vida (Ótimo e inteligente título nacional) conta a história de Pat Peoples, um homem que acabou de sair de uma clínica psiquiátrica e acredita que finalmente vai conseguir voltar para sua esposa. Sua ideia de tempo foi alterada e ele perdeu boa parte da memória, mas faz seu caminho, contra tudo e todos, acreditando cegamente no seu final feliz. Nessa jornada ele conta com ajuda de sua família, do seu terapeuta e uma inusitada nova amiga.

O livro é narrado em primeira pessoa, então durante 254 páginas entramos na mente instável de Pat que oscila entre momentos de fúria, descobertas e muitos, muitos questionamentos.

Matthew Quick - O Autor

Matthew Quick – O Autor

O relacionamento de Pat com Tiffany ( sua amiga inusitada) é algo muito singular, diferente de tudo que eu já tinha lido e visto, e isso me agradou muito.
Afinal, pode- se esperar tudo de duas pessoas problemáticas, e o autor nos entrega situações realmente engraçadas.

A adaptação cinematográfica chegou fazendo barulho, recebeu um total de oito indicações para o Oscar e tornou-se o primeiro filme a concorrer em todas as quatro categorias de atuação (melhor ator, atriz, ator coadjuvante e atriz coadjuvante) em mais de 30 anos.

Eu acredito que o filme funcione mais para quem não leu o livro, e ainda que a escalação dos atores seja muito boa, há diversas mudanças no roteiro que pode incomodar os mais críticos (como eu).

No mais, toda a obra desperta sentimentos positivos em você. É um romance que não apela em momento algum para tragédias ou dramas irreais. O que vemos ( ou lemos) são pessoas que lutam para seguir suas vidas, como nós. E nos ensina a tentar ver o sol por trás de uma nuvem de chuva, buscando assim o lado bom da vida.

#Resenha | Barbolândia – A Fuga do Herdeiro

barbolandia - a fuga do herdeiroTÍTULO: A FUGA DO HERDEIRO

SÉRIE: BARBOLÂNDIA

AUTOR: BRUNO MELO

EDITORA: BARBO HOUSE

PÁGINAS: 80

CURTA NO FACE

SKOOB | COMPRE


“O que eu queria era viver minha vida como se ela não estivesse pronta. É difícil de explicar-lhes agora, mas é isso.”

A narrativa de A fuga do herdeiro tem uma prosa bem parecida com a de autores infantis conhecidos: Philip Ardagh e Lemony Snicket. Apesar do autor não abusar do narrador para conversar com o leitor.
A quebra da harmonia se dá pela fuga do jovem Ryan Day de sua vida fútil com a Dinastia Day – sua família riquíssima-, daí em diante é perseguido por mendigos, encontra piratas, é aterrorizado por uma gangue e até mesmo por um tornado.
O livro podia muito se passar no Brasil, tendo a acreditar que os autores nacionais deveriam valorizar um tantinho mais da nossa cultura quando possível, mas não muda em nada o aproveitamento da obra.Bruno Melo
Logo de cara o leitor é avisado que um livro bom não precisa ser curto ou extenso, mas sim interessante, neste volume (o primeiro da série Barbolandia) o fim é corrido e o clímax esperado não acontece, mas ainda estou achando que essa parte estava no meio da obra e eu acabei perdendo.

80 páginas passam rapidinho e as ilustrações do texto são agradáveis, mesmo assim acredito que um livro só, maior, poderia conter a história completa de Ryan e seus amigos aventureiros sem desgastes ao longo da leitura.
Ainda em tempo queria parabenizar o autor, que é jovem e abriu a Barbo House (editora) para poder divulgar a obra, não é fácil escrever no Brasil e muito menos entrar no mercado editorial.

#Entrevista | Raphael Montes

1)   A equipe Rk Books agradece por participar da entrevista e começa querendo saber mais sobre como você acabou tendo seu primeiro romance publicado na Série Negra da Editora Benvirá.

Escrevi “Suicidas” dos 16 aos 19. Comecei a escrever no segundo ano do Ensino Médio e acabei no final do primeiro ano de Direito na Uerj, em 2009. Na época, enviei o original para várias editoras grandes que publicam romance policial. Enviei também para o Prêmio Benvirá, criado pela Ed. Saraiva em 2010 para autores nacionais.

Em fevereiro de 2011, recebi uma ligação do diretor-editorial Thales Guaracy dizendo que “Suicidas” fora finalista do Prêmio e que eles queriam publicar. Mais ainda: a editora estava começando a lançar uma série policial com vários autores estrangeiros (a “Série Negra”) e estava querendo um autor nacional que se comprometesse a escrever romances policiais com frequência. Topei na hora.

 

2)   Como é começar – com o pé direito – em um país onde a literatura não é tão valorizada em comparação com outros?

Fico muito feliz de ter a oportunidade de mostrar meu trabalho tão cedo. Ter um romance publicado por uma editora do porte da Saraiva aos vinte e dois anos permite que, desde já, eu comece a apresentar aos leitores de todo o Brasil meus projetos na literatura de mistério. Infelizmente, este é um gênero ainda fraco no Brasil, que carece de autores bons e dedicados. Espero que isso mude nos próximos anos.

 

3)   Qual sua reação ao ver que as resenhas e comentários em torno do livro são bons?

Felizmente, “Suicidas” vem colecionando críticas positivas dos leitores, da imprensa e também dos livreiros. Tive encontros via skype com livreiros de São Paulo e de Brasília. A maioria deles leu o livro, veio falar comigo no facebook, indicou “Suicidas” a amigos e clientes. Outro dia, uma amiga de Brasília foi comprar o livro e a caixa da loja disse que tinha lido porque, segundo ela, “todo mundo da loja estava comentando”. Isto é ótimo. Para o autor estreante, que não consegue muito espaço na mídia, o “boca a boca” é que vende o livro, faz a história circular. Costumo pedir a todo mundo que leu “Suicidas”e gostou que recomende aos amigos.

Depois de mais de cinco anos dedicado a este trabalho, é gratificante ver o retorno entusiasmado das pessoas. Agradeço muito cada comentário. No fim das contas, quem faz o sucesso de um livro é o leitor.

 

4)   Suicídio é um tema pesado em qualquer obra de arte, qual sua visão particular desse ato?

A pergunta que mais me fazem atualmente é se já pensei em me matar. Aviso desde logo que a resposta é “não”. Hehehe

Apesar disso, noto que virei uma espécie de referência sobre o tema. Até mesmo alguns psicólogos já vieram me falar que leram o livro e gostaram do retrato da mente de jovens suicidas.

Naturalmente, para escrever o livro, tive que pesquisar muito sobre suicídio. Li ensaios, ficção e muitas reportagens (que são absolutamente difíceis de se encontrar, já que o tema é tabu). Conversei com psicólogos e encontrei pessoas que já tinham tentado (ou pensado em) suicídio.

No fim das contas, a conclusão a que se chega é que ninguém entende direito como isso funciona. O que leva alguém a se matar? De onde isso surge? Existem teorias, e muitas. Mas prefiro não me meter nesta seara. Sou escritor policial, não um especialista no assunto.

 

5)   O livro trabalha ainda com sociopatia, bissexualidade e Síndrome de Down. Como foi a pesquisa para falar de assuntos que ainda são polêmicos? 

“Suicidas” narra a história de nove jovens de classe alta que se reúnem para fazer uma roleta-russa. No porão em que o evento acontece, eles bebem e fumam a valer. O mistério do livro é justamente o que os levou – pessoas aparentemente felizes – àquela situação limite de optar pelo suicídio.

Pois bem, uma das primeiras coisas que pensei ao escrever este livro é que eu não podia ter pudores. Trata-se de um livro sobre jovens que não têm nada a perder, que não precisam se preocupar com punição, com o futuro ou coisa assim. Eles têm total liberdade de fazer e dizer o que sempre quiseram. Eu quis trabalhar com esse despudor. E aproveitei para falar de temas polêmicos atuais: bissexualidade, drogas, internet, descaso familiar, síndrome de down, entre outros. A pesquisa para a maioria destes temas foi supercial, pois eu tratei do mundo em que vivo, de uma juventude da qual faço parte. A realidade bate na minha porta. Não precisei pesquisar muito.

 

6)   Quais seus autores e livros favoritos?

Meus autores favoritos são Agatha Christie e Patrícia Highsmith. A primeira me ensinou a importância de tramar cuidadosamente uma história; a segunda me mostrou como criar personagens verossímeis, com profundidade psicológica. Gosto muito de Cornell Woolrich, Dennis Lehane e Chuck Palahniuk também. Meus livros favoritos são Tarântula, Paciente 67, O caso dos dez negrinhos e O talentoso Ripley.

7)   Alguma dica para novos escritores?

A dica que dou é: persistam. Escrever um livro não é nada fácil. Publicar tampouco. Para dar certo, é preciso determinação. Quando outras ideias surgirem, tome nota, mas continue no seu projeto inicial. Outras duas importantes dicas são: ler muito e escrever sobre aquilo que se conhece. Não adianta ter vinte anos e escrever um romance sobre um casal de meia-idade em crise. Acaba soando forçado ou falso.

8)   Poderia nos falar sobre seu próximo ou próximos projetos?

Tenho o projeto de trabalhar com os subgêneros da literatura policial. “Suicidas” tem muito de thriller, mas traz consigo elementos de suspense psicológico, de romace-enigma e de noir. Este tipo de mistura, quando bem dosado, pode dar certo.

O projeto atual se propõe a ser um suspense psicológico clássico (poucos personagens, investigação profunda nas motivações de cada um), mas com um toque de thriller (reviravoltas inesperadas e final chocante). O plot inicial é simples: um jovem estudante de Medicina se apaixona perdidamente por uma mulher e decide tê-la para si a qualquer custo. A maneira dele para tentar conquistá-la é, digamos, pouco convencional. rs É uma história contada da visão do psicopata.

 

9)   Obrigado pela paciência. Por favor, deixe alguma mensagem para seus leitores (atuais e futuros).

Agradeço muito a todos que me lêem. Sintam-se convidados a conversar comigo, trazendo críticas ou sugestões para livros futuros. A opinião de vocês, leitores, é muito importante.

#MomentoSérie | Primeiro Sneak Peek / Trailer da 2ª temporada de SMASH!

Foi liberado o primeiro trailer da 2ª temporada da série musical da NBC, SMASH!

E pelo jeito as coisas vão ferver, e os espectadores vão pirar, de novo!

Deu para perceber que os antigos rostos continuam (exceto pelo Dev, que não vi em momento algum do trailer ;—;) e, teremos muitas carinhas e paixonites novas!

Confiram o vídeo abaixo e matem um pouquinho da vontade de rever a série, que volta em 2013!

Mais uma coisa: Grazadeus que a linda Ivy não morreu de overdose no fim da Season 01, mas fica a pergunta, estará ela cheia de remorsos e buscando vingança?
#BarracoChegando \o/

#Resenha | Belo Desastre

TÍTULO: BELO DESASTRE

AUTORA: JAMIE McGUIRE

TÍTULO ORIGINAL: BEAUTIFUL DISASTER

EDITORA: VERUS

PÁGINAS: 389

SKOOB


Ai ai, Belo Desastre… muita expectativa? Não sei…

Não, Belo Desastre de maneira alguma é ruim, acho que só esperava por “algo a mais” a escrita de Jamie é muito boa, flui perfeitamente e a história passa do clichê do romance e vai pra uma área mais picante (?) da coisa…

Abby, muda de cidade para fazer faculdade com sua melhor amiga America e para tentar fugir do seu passado, e é exatamente isso que ela consegue quando se depara com Travis, O Garanhão (hahaha)!

Travis é um personagem complicado…em todas resenhas que lia antes de receber belo Desastre eram do tipo “Travis é amável e odiável, um perfeito complexo” , mas acabei descobrindo o porque! Ele é o típico “valentão”, que pega todas, e todas querem ele, porém, ele vê em Abby algo que as outras não tem, e é aí que ele fica “amável”, ele quer agradar, proteger e cuidar de Abby, só ter sua amizade seria tudo para ele.Porém, seu lado “me olhe torto que eu te meto um soco no maxilar”, o torna “odiável” para várias blogueiras, porém, acho que esse é o verdadeiro lado de Travis, o lado valentão, porém com Abby sua personalidade muda para algo inimaginável vindo de Travis Maddox.

O livro fica em um vai e vem de ambos os personagens e principalmente de Abby, que mesmo não querendo admitir, se vê atraída por Travis, mas não quer apenas mais uma na vida dele, e quando ela perde a aposta, tudo toda um rumo diferente, afinal, dormir na mesma cama de Travis Maddox, além de ser uma honra por não estar no sofá, é também algo perigoso e tentador.

Jamie Macguire – A Autora

O livro flui muito, muito bem, e no decorrer mais dramas vem surgindo, esse amor “obsessivo” que todos chamam de “Fifty Shades of Grey Adolescente” começa, apesar de eu não achar nada tãããão obsessivo assim! Cenas de sexo (SIM!) são descritas, palavrões são constantes, mas tudo flui muito bem, pois essas cenas aparecem não como um alarde para “crianças saiam da sala” mas como parte da trama, algo fundamental pra trama, afinal não é um livro tão jovem assim.

Essa resenha está sendo foi bem difícil de fazê-la pois Belo Desastre é um livro que sem spoilers você não consegue contar e falar como ele é. Espero que a resenha esteja “compreensível”, e mais uma vez, RECOMENDO a leitura, mas acho que o livro cai melhor para garotas, sei lá, acho que todos os encantos que a Abby retrata cai certinho com o que as meninas pensam nas situações do livro, mas agora com Walking Disaster  na visão de Travis Maddox, talvez fique mais interessante para os meninos! ;D

#MomentoMúsica | Gods & Monsters – Lana Del Rey

Saiu mais uma das novas músicas que farão parte de Born to Die – The Paradise Edition!

Ouçam Gods & Monsters completíssima e pireeeeem!

Só clicar na imagem para conferir a música direto no soundcloud, ou apertar o play no reprodutor!


*** Agradecimentos Especiais ao nosso leitor: Rodolfo Abachi, que nos enviou o link dessa pérola negra! *w* ***

#MomentoMúsica | Ride – Lana Del Rey

Hoje foi lançado o clipe do mais novo single da cantora Lana Del Rey no youtube… é, ele foi lançado antes em um cinema da Califórnia e demorou longos dois dias para vir oficialmente para a web.

Ride, que fará parte do álbum Born To Die – The Paradise Edition, a nova versão do já conhecido Born To Die. A performance continua seguindo o estilo Indie da cantora, aquela mesma mistura de tecnologia com um ar mais antiquado, envelhecido. Basicamente, Hipster.

O Clipe tem um total de 0:10:09, ou seja, ele é bem grandinho para os padrões atuais de 5 minutinhos.

Born to Die – The Paradise Edition
Novo Álbum que será lançado dia 12 de Novembro! *-*

Outra inovação do clipe é que, fugindo dos padrões de caras fofinhos, de queixo quadrado, barbicha rala, barriga de tanquinho e músculos definidos, Lana traz um novo esteriótipo de homem.
Desta vez, vemos nada mais nada menos que uma gangue de motoqueiros brutos, suados, barbudos e bom, fortes, MUITO FORTES, e com barriga de fundo de tanquinho. ;)
Lana interpreta uma mulher que tinha o sonho ser uma cantora, mas que acaba enveredando-se pelos lados da prostituição. Isso é meio que um dos principais reflexos da diva que pode ser muito bem visto em suas músicas, não tanto nas oficialmente lançadas em Born to Die, mas mais em suas Unreleaseds, que hora ou outra surgem na Web e fazem todos os

Born to Die
O Primeiro Álbum – oficial – da cantora.

fãs pirarem! Essa cara de moça perdida/mal resolvida, ou simplesmente de Meretriz enrustida, basicamente, é o que podemos dizer que realmente encanta em Del Rey. Afinal, por mais comum/normal que uma pessoa pareça, ela sempre terá uma lado mais sem-vergonha escondidinho e é esse lado que Lana libera ás vezes.
O ritmo de Ride música é lento e harmoniza os arranjos clássicos com uma batida mais pop e atual. O perfeito casamento entre a baixa qualidade da música antiga , com todos seus chiados e ruídos, a batida do pop atual e a sonoridade profunda e melodiosa da sinfonia clássica.

Lana Del Rey não é uma cantora que se goste logo de cara, é mais como uma guloseima exótica, a qual tem que se apreciar com calma, dando atenção a todas as particularidades do que se ouve. Após isso, a paixão apenas cresce a cada nova música/clipe/foto.

E, sem mais delongas, confiram o belíssimo clipe de Ride e, depois, não deixem de dar uma conferida em Summertime Sadness, que só não é meu preferido porque no clipe de BORN TO DIE aparecem Tigres, animais pelos quais eu sou eternamente apaixonado.

E Se você gostou – ou não – confira o clipe lindo de Summertime Saddness. ;)
Vale cada segundo!

#ChanceImperdível | Novas Antologias da Andross

Olá, pessoal!

Até 31 de outubro de 2012, a Andross Editora estará recebendo contos para seis antologias literárias, com lançamento em janeiro de 2013, durante a segunda edição do evento Livros em Pauta, que acontecerá no China Trade Center, localizado à Rua Pamplona, 518, em São Paulo.

Qualquer pessoa pode submeter um texto à avaliação, basta acessar o website da editora e seguir o regulamento de participação. Essas são as antologias em andamento:

CORAÇÕES ENTRELAÇADOS
CONTOS DE AMOR
Sinopse: Muitos dizem saber o que é o amor, mas quantos podem ter essa certeza? Um sentimento que todos buscam e tanto temem. Corações Entrelaçadostraz histórias que mostram infinitas manifestações do amor e tudo o que ele pode nos causar. Algo que pode ser salvação, mas também ruína.Organização: Leandro Schulai

 QUIMERA

CONTOS FANTÁSTICOS
Sinopse:Este livro reúne as mais diversas criaturas do mundo extraordinário, em tramas escritas por narradores envoltos pela magia do contar. Por vezes, você será transportado para cenários insólitos. Em outros momentos, serão as criaturas do extraordinário que invadirão seu mundo. Nas páginas de “Quimera”, você encontrará acontecimentos estranhos ao entendimento natural humano, que vão do absurdo kafkiano ao horror gótico. Também encontrará tramas de ficção científica que o levarão a lugares jamais explorados. Aventure-se pelas histórias fantásticas de “Quimera”. Ao final da leitura, perceberá que a criatura mais insossa do universo é o próprio homem. Ou não.Organização: Alex Mir

 NÉVOA

CONTOS SOBRENATURAIS, DE SUSPENSE E DE TERROR
Sinopse: Quando a bruma toma conta do olhar, é impossível não temer o que é invisível aos olhos. Os medos mais secretos tomam forma e o irreal torna-se real. “Névoa” traz histórias aterrorizantes, contadas por escritores que temem o desconhecido e transcreveram para o papel temores que os acompanham desde sempre. Se as tramas deste livro assustam quem as escreveu, o que elas farão com leitores desavisados como você? Deixe-se envolver por esta densa névoa, tendo plena consciência de que não sairá dela a mesma pessoa.Organização: Cristiana Gimenes

 BOLEIROS

CONTOS SOBRE FUTEBOL
Sinopse: E a partida tem início! Uma seleção brasileira de escritores entra em campo para contar ao leitor tudo o que acontece dentro das quatro linhas e fora delas. Times campeões, grandes fracassos, artilheiros intrépidos, grandes viradas e jogos emocionantes. Lute por seu ingresso e garanta seu lugar, pois, como dito pelo radialista Benjamin Wright, “o futebol é uma caixinha de surpresas”.Organização: Alex Mir

 SOPA DE LETRAS

CONTOS E CRÔNICAS DE TEMÁTICA LIVRE
Sinopse: Uma das melhores coisas da vida é saborear uma reconfortante sopa caseira, preparada com carinho por nossa mãe ou pela avó-coruja. E se for de letrinhas, melhor! Ganhamos em diversão nas inúmeras tentativas de formar palavras e buscar significados. Uma brincadeira que nos liga à leitura e à escrita, que indiretamente nos remete à tecelagem de frases, sentidos, textos e, quem sabe, histórias. Letras traduzem sentimentos, revelam sensações, defendem ideias, mexem com a imaginação do leitor. Cativam e conquistam. Têm poder. Nesta antologia, elas contam as mais diferentes histórias, letras escritas por vários autores com total liberdade para escolher a própria temática. Contos e crônicas reunidos numa ampla e intrigante sopa de letrinhas.

Organização: Helena Gomes

 O SEGREDO DA CRISÁLIDA – VOLUME II

ANTOLOGIA DE POEMAS
Sinopse:A crisálida que envolve os novos poetas se rompeu e deu início a uma doce sinfonia da borboleta. Sentimentos libertos que inspiram composições poéticas… Será esse o segredo?
Organização: Guaraciaba Micheletti
VISITE A EDITORA NAS REDES SOCIAIS:

#Resenha | Corrida de Escorpião

TÍTULO: A CORRIDA DE ESCORPIÃO

AUTORA: MAGGIE STIEFVATER

TÍTULO ORIGINAL: THE SCORPIO RACES

EDITORA: VERUS

PÁGINAS: 378

SKOOB


Algumas corridas são feitas para vencer. Outras, para sobreviver.
No mar de Escorpião existe uma ilha, no mês de novembro cavalos mágicos surgem do oceano para  o bem ou mal dos moradores…
      “Os cavalos d’água são famintos e maus, violentos e belos, amam e odeiam cada um de nós.”
      A autora baseada na lenda irlandesa-escocesa dos capall uisce (O Brasil tem essa versão também, o boto cor-de-rosa que se transforma em homem) utilizou alguns aspectos da história em um cenário simples para compôr uma intriga interna entre dois personagens principais não muito diferentes.
      Sean e Puck são os protagonistas e também os narradores. Ambos, infelizmente, não convencem o leitor e nem possuem uma linguagem diferente para descrever as situações, que são realizadas cronologicamente.
       Puck é uma jovem com dois irmãos, órfãos. Decide participar da Corrida de Escorpião para manter seu irmão por mais um tempo morando na ilha, coisa que desde o princípio é obviamente desnecessária e tola para o leitor e qualquer outro personagem fora de sua pele. Lá pelo meio da história ela se dá conta disso, mas pretende participar mesmo assim .pelo prêmio em dinheiro, já que a casa onde mora está prestes a ser tomada pelo credor.
      Sean já ganhou a Corrida de Escorpião quatro vezes – das seis em que participou –  e sabe que correr com capaill uisce é uma coisa perigosa e mágica. Ele precisa do dinheiro e da vitória para poder comprar seu cavalo, Corr.
      De um lado um vencedor experiente com seu capaill uisce e do outro Puck com sua égua normal, Dove.
        A autora não soube trabalhar a narração dos personagens, muitos capítulos são diferenciados apenas porque começam com o nome do narrador, ritmo, vocabulário e personalidade se confundem o tempo todo.  Em compensação não caiu na febre da literatura Young Adult em colocar a jovem dividida em duas paixões másculas, sobrenaturais e com barriga de tanquinho.
      Puck sofre com o machismo por ser a primeira mulher a se inscrever na Corrida e Sean sente a cobrança de ser um vitorioso solitário. Um romance entre os dois era inevitável desde o início, mas consegue se manter saudável e dentro dos limites de um livro de ação.
       Qualquer comparação com Jogos Vorazes é inútil apesar da proposta: Algumas corridas são feitas para vencer. Outras, para sobreviver.
       Poucos capítulos não são cansativos, chegar ao meio do livro foi um trabalho lento e talvez desse ponto em diante é que a escritora consegue, desculpe pela expressão, tomar as rédeas e mostrar o que pretende fazer com a trama.
      Minha principal intenção ao ler A Corrida de Escorpião era entender mais o amor aos cavalos e um funcionamento de um haras. Em nenhum me senti satisfeito. Se o livro deixou na mão em muitos aspectos, pelo menos ensinou uma verdade que talvez muitos jovens venham a aprender: Nada é completamente inofensivo.

#Resenha| Um Romântico Incorrigível

TÍTULO: UM ROMÂNTICO INCORRIGÍVEL

AUTOR: DEVAN SIPHER

EDITORA: VERUS

PÁGINAS: 252

SKOOB

Leitura fantástica, sensacional, recomendadíssimo!!!!


Olá queridos!!

Posso me classificar como uma devoradora de livros, e essa classificação caiu  feito uma luva quando comecei a ler essa joia, já que li em dois dias, rsrsrsrs….simplesmente não consegui mais parar!! Um romântico incorrigível, além de ser espirituoso e divertido ele é inteligente e autêntico. O autor Devan Sipher soube combinar a força e a sagacidade nesse romance e é por isso que conquistou milhares de fãs e fez a maior audiência entre as mulheres. Juntando todos esses fatores, ainda acrescento uma leitura leve, rápida, nada cansativa ou monótona. Nessa história o ponto principal é a solidão de um homem, no caso Gavin, beirando os 40 anos, que levou um fora da sua última namorada, está solteiro desde então e sem sorte nos relacionamentos que surgem em sua vida. Leva um tempo mas Gavin percebe que o que realmente atrapalha em suas buscas amorosas é o sentimento de “medo”!!…medo de ficar como seus pais, de errar ou até mesmo de ficar só. Gavin além de ser um romântico atrás da sua alma gêmea, o romance é também seu ganha-pão, pois ele é jornalista, e escreve uma coluna sobre casamentos no principal jornal de Nova York, o The Paper.

Sempre resistindo a convites para festas, sua amiga Hope o convida para uma de Ano Novo e lá conhece Melinda que se apaixona de cara.Depois da festa Gavin perde contato com ela, fez tudo o que um bom jornalista pode fazer quando está a procura de alguma boa notícia, fez uma busca incansável para achar Melinda, mas infelizmente não conseguiu nada. Seguiu em frente em sua rotina, seu trabalho. Gavin recebe uma proposta de escrever sobre um casamento super badalado em Nova York, quando é apresentado à noiva, seu coração para de bater, pois adivinha quem era a noiva?? Isso mesmo: Melinda…

Daí pode-se imaginar como Gavin reagiu a tudo, o que ele irá descobri sobre a Melinda e o que fará para conquistar seu grande amor.

O que me fascinou nesse romance, é que a procura pela sua cara-metade não faz parte só do mundo das mulheres, que só elas procuram, só elas sofrem, mas os “homens” também!! Isso faz parte da vida de todos nós, dessa busca  incessante pelo amor e de não ficar sozinho!!

O que posso afirmar dessa extraordinária leitura, é um romance que enfatiza a solidão de um homem, mas com empatia e senso de humor irônico nos desafios   de uma pessoa solteira.  Leitura fantástica, sensacional, recomendadíssimo!!!!

Parabéns ao autor Devan Sepher por criar uma obra prima da literatura romântica mesclando todas as bagagens emocionais relacionada aos relacionamentos, BRAVO!!!!! :B

#Resenha | Coraline

TÍTULO: CORALINE

AUTOR: NEIL GAIMAN

TÍTULO ORIGINAL: CORALINE

EDITORA: ROCCO

PÁGINAS: 160


Se você gostou de Alice preprare-se para conhecer Coraline. Onde mundos paralelos, monstros e gatos falantes são tão comuns quanto o vento no fim da tarde…

Imagine uma casa bem pequenininha (só 22 janelas e 14 portas), com uns moradores bem estranhos (duas atrizes aposentadas e um treinador de ratos de circo). Pois é, essa é a casa de Coraline.

De todas as 14 portas da casa de Coraline, apenas uma não funciona como as outras, ao invés de apenas se abrir e fechar para um cômodo ou corredor ela abre-se para um parede de tijolos. Ou então para um corredor enorme, comprido e escuro.

Poster do Filme

Coraline é uma típica exploradora, e é claro que ela jamais poderia deixar de conferir o que havia por detrás daquela porta. E o que a garota encontra por lá é simplesmente maravilhoso. Exceto pelas cópias de seus pais que tem botões no lugar dos olhos e algumas outras coisas um tiquinho assustadoras. Mas mesmo assim, a comida que existe desse novo lado da porta parece ser melhor, os brinquedos são bem mais animados e os gatos papeiam que nem gente.

Tudo vai bem, até os verdadeiros pais de Coraline desaparecerem e ela encontrar três crianças presas dentro de um espelho.

É aí que a garota terá de contar com ajuda vinda dos lugares mais inesperados, e assim tentar escapar desse mundo perfeito, que está prestes a se tornar um mundo de horror, cheio de aventuras, riscos e bichos estranhos.

Coraline é repleto de seres esquisitérrimos e especiais, misturando um pouco de escapadas alucinantes. É simplesmente um clássico do terror infanto-juvenil.

Vale a leitura de cada página, até o derradeiro capítulo.

A Capa: Eu gostei muito, achei meio estranha. Mas por outro lado ela faz aumentar a expectativa dos mistérios que serão encontrados no livro.

Ela é rustica, e ainda assim convidativa. Assim que o leitor termina de apreciar a narrativa, sente como se um pouco da energia dele estivesse circulando e rondando a capa.

Simplesmente encantadora…

Uma palavra que definiria o livro: Cativante.

E, não deixem de conferir o trailer da adaptação cinematográfica do livro:

#Promoção | Concurso Coletivo Entre Blogs Literários



Quer concorrer a 5 (cinco) livros da Andross Editora? É muito fácil! Basta seguir o regulamento abaixo e torcer!


PRÊMIO: kits com 5 livros da Andross Editora





REGULAMENTO



ITEM 1 – Quem pode concorrer


  • Somente pessoas físicas com endereço para remessa do prêmio em território brasileiro podem concorrer.
  • Somente aqueles que preencherem corretamente o formulário e confirmarem o e-mail recebido após a inscrição.





ITEM 2 – Premiação



Serão disponibilizados 3 (três) kits com 5 livros da Andross Editora aos ganhadores, sendo os livros por kit:


  1. Marcas na Parede – Contos Sobrenaturais, de Suspense e de Terror
  2. Dimensões.BR – Volume 1 – Contos Fantásticos no Brasil
  3. Brainstorm – Antologia de Contos
  4. Histórias Liliputianas – Antologia de Microcontos
  5. Moedas para o Barqueiro – Volume 1 – Contos Fantástico sobre a Morte





ITEM 3 – Forma de premiação


  • Entre os que preencherem o formulário corretamente sortearemos 1 (um) kit;
  • O blog literário que tiver indicado o sorteado ganhará 1 (um) kit;
  • O blog literário que mais indicar participantes ganhará 1 (um) kit.


ITEM 4 – Prazos
  • Data-limite para inscrição: 30 de setembro de 2012
  • Data do sorteio: 5 de outubro de 2012
 
DIGITE NOVAMENTE O E-MAIL ESCRITO NO FORMULÁRIO E CLIQUE EM “CADASTRAR” (Tenha ciência de que, depois disso, você passará a receber um nanoconto por dia do livro “Cem Toques Cravados”)

#Promoção | Kit Branca de Neve e o Caçador + Julieta Imortal!

Olá pessoal!

Tem uma megapromo rolando no nosso facebook, não deixem de conferir e participar!

Basta clicar na imagem abaixo e conferir as regras!

Clique para conferir as regras. ;*

#ResenhistaConvidado | Garota Replay

Olá Pessoal! Estamos lançando uma nova coluna aqui no blog, onde convidaremos toda semana, alguém para ter uma resenha postada aqui no blog. A Primeira que postaremos é do Alair Lemes, que mora em Belo Horizonte, estuda fonoaudiologia e tem 18 aninhos.
Confiram abaixo a resenha e, se você quer ser um dos próximos resenhistas, basta entrar na nossa página CONTATO e mandar um e-mail fazendo a solicitação. ;-)


TÍTULO: GAROTA REPLAY

AUTORA: TAMMY LUCIANO

EDITORA: NOVO CONCEITO

PÁGINAS: 144

SKOOB

COMPRE:

SUBMARINO | EDITORA

Mesmo tendo somente 144 páginas, Garota Replay se mostra uma leitura gostosa.

Thizi é uma carioca que mora no apartamento dos pais. Mesmo cercada de amigos ela se sente sozinha até mesmo porque os pais viajam 10 meses por ano e voltam para natal. Ela tem um namorado, o Tadeu. Só que o cara não é nem um pouco no mínimo certinho, na verdade me permito chamá-lo de canalha, cafajeste, playboy ridículo… Bom, mas indo para as coisas boas, Thizi tem um melhor amigo (claro!), Tito e é ele que flagra Tadeu beijando outra na balada. Fazendo o papel de best friend, o cara tira uma foto da cena e depois mostra para a amiga.  (Entenderam? Aqui as coisas vão se complicar).

Claro que todos já sabiam das traições de Tadeu e somente Thizi não desconfiava que ela era a traída da Barra da Tijuca. (Isso aqui se parece tanto com a realidade não é mesmo?) Então depois da foto ela logo descobre que o namorado não era bem aquilo que ela pensava que fosse.

Estaria tudo bem se fosse somente isso. Ela poderia resolver a situação pondo um fim no namoro de um ano, mesmo que pudesse acontecer algumas coisas, mas daria tudo certo, ou não. Porém, sozinha na balada, Thizi encontra com si mesmo. É! Ela encontra com uma igualzinha a ela. (Momento bizarro não acham?) E aqui ela já não pode mais resolver a situação como poderia antes.

Ali, me vendo, ou vendo alguém tão parecida comigo, com aquele astral tão vencedor, imaginei que eu poderia ter conseguido muito mais do que fiz até ali.

Li várias resenhas sobre o livro antes mesmo de ganhá-lo de um amigo (obrigado, Renato). E para falar a verdade, muitas coisas que li sobre o livro como ele ser estúpido e desajeitado é mentira. Ok, Thizi pode ser um pouco vazia e imatura, mas é ai que entra a Replay. São ensinamentos que Thizi deve aprender com a Replay. Quem leu o livro e não compreendeu isso, leia novamente e preste mais atenção. Para quem ainda não leu, pode ler e tente visualizar isso. O livro fará muito mais sentido se for lido com um olhar de interpretação e não como mais um livro lido no ano de 2012.

Garota Replay é um livro para todas as idades. Normalmente desejo que todos os livros sejam grandes. Em partes é por causa dos personagens, adoro quando eles são bem explorados e isso me fixa na leitura. Mas mesmo tendo somente 144 páginas, Garota Replay se mostra uma leitura gostosa. Com poucos personagens e uma trama seguindo um caminho fixo, você vai virando as páginas e quando percebe terminou o livro com aquela sensação gostosa de ter lido um livro bom.

A Autora:

Tammy Luciano é atriz, jornalista e escritora. Foi colunista do JB on-line e do Baguete Diário, fez curso de roteiro em Washington, D. C., trabalhou na Idea Television. Foi professora de teatro no Retiro dos Artistas durante 12 anos e apresentadora do Tá no Papo (antigo canal Hipermídia-Globo.com). Escreveu mais de 30 textos teatrais. Foi repórter do TV Fama, fez participações em peças e novelas, como Uga-Uga, Laços de Família, Senhora do Destino, Caminhos do Coração, e episódios do Linha Direta e A Grande Família. Escreveu os livros Fernanda Vogel – na passarela da vida, Novela de Poemas e Sou Toda Errada. Costuma dizer que não bebe, não fuma, mas é viciada em uma caneta.

Confiram o BookTrailer do livro: 

#CapasDaSemana | Destino Íntimo 02, Clockwork Princess & Tiger’s Destiny

Olá Pessoal!

Nas capas desta semana, temos 3 lançamentos super esperados pelos leitores e, na temática das camas, sobressaem-se os efeitos de fumaça…

Confiram, aplaudam e não deixem de comentar!

 

 

#VemAí | A Morte é Legal

Jim Anotsu (Entrevista) finalmente voltou a ativa e veio com uma surpresa MARAVILHOSA!

Para quem ainda não conhece o autor do incrível Annabel e Sarah (resenha), vale a pena dar uma lida na sinopse desse novo lançamento, além de conferir a fofíssima capa do livro!

A Morte é Legal, será lançado pela Editora Draco na Fantasticon em São Paulo, o mês em que o evento foi marcado é setembro, ou seja… comecem a contagem regressiva!

Agora, Leiam a sinopse, babem e comentem! >.<


O livro conta a história de Andrew, um garoto de 19 anos que mora na cidade de Dresbel. Aspirante a escritor, sem rumo na vida e apaixonado pela melhor amiga há mais de três anos, sem a coragem necessária para se declarar. Tudo muda quando ele conhece Ive – a filha mais nova da Morte e ceifadora estagiária. A garota lhe revela uma forma de realizar qualquer desejo, incluindo o amor da garota amada: encontrar os três nomes verdadeiros da criatura mais importante do universo.O livro se desdobra com uma galeria de personagens que inclui uma coelha niilista alérgica a si própria, uma fada do fogo, crianças perdidas, ratos e fãs de hip hop.

Quando os dias começam a afundar num turbilhão de desastres, segredos antigos são colocados no tabuleiro e inúmeras vidas em risco. E a única maneira de descobrir como tudo isso termina é ler até a última página. Mas não vale ir direto.

Transitando entre o surreal e o mundano, Jim Anotsu exibe toda sua imaginação em uma obra que reúne magia, mistério, aventura e romance num universo atraente para jovens e adultos de todas as idades.

#CapasDaSemana | Keary Taylor & Asaari

Olá Pessoal!

Primeiro post meu no blog e vou começar com algo que conta muito em um livro pra mim: CAPA!

Irei apresentar a capa “brazuca” da vez, Assari, vol.2 de A Lenda de Arion, do autor L.S. Bertolino, uma capa que ficou – pelo menos eu acho – espetacular!

A Lenda de Arion #2

Asaari
A Lenda de Arion #2

Lindona a capa não é mesmo?!

Confesso que para relacionar essa capa de Asaari com alguma capa “de fora” foi difícil, mas logo me veio a capa de um livro que baixei para o tablet, que tem uma base dourada, EDEN da autora Keary Taylor e numa pesquisa mais afundo sobre a autora descobri que uma Trilogia dela (Fall Of Angels) teve suas capas reformadas e ficaram ESPETACULARES! Bom, chega de papo e vamos para as capas!

Eden

Branded
Fall Of Angels #1

Forsaken
Fall Of Angels #2

Vindicated
Fall Of Angels #3

Espero que tenham gostado das capas! Logo mais reapareço com resenhas por aqui! ;D

#Resenha | Geração Subzero

TÍTULO: GERAÇÃO SUBZERO
20 autores congelados pela crítica, mas adorados pelos leitores

AUTOR: VÁRIOS

EDITORA: RECORD

PÁGINAS: 370

SKOOB


Os autores não estão preocupados com os leitores, mas apenas com a satisfação da vaidade intelectual. Não são lidos porque são chatos, herméticos e bestas.” Esse é um resumo da longa introdução do livro, feita pelo organizador Felipe Pena.

A seleção dos escritores foi feita com base no que Felipe via na internet ou ouvia em grupos de discussão literária em comparação com a opinião dos críticos especializados. Quem escolheu o conto a ser publicado foram os próprios selecionados, independente de ser inédito ou não.

A pedra fundamental da coletânea é o Manifesto Silvestre, principalmente o artigo terceiro.

3. A ficção brasileira precisa ser acessível a uma parcela maior da população. O que não significa produzir narrativas pobres ou mal elaboradas. Rejeitamos o rótulo de superficialidade. Escrever fácil é muito difícil.

E no fim das contas a proposta é esta: escrever fácil e embalar os leitores. A edição dos textos foi feita por Ana Cristina Rodrigues e Priscila Corrêa, para quem não sabe a primeira moça é defensora da literatura especulativa nacional e tem conhecimento editorial para este projeto da Record.

Os nomes mais conhecidos foram os que mais deixaram a desejar, fosse por esperar algo diferente das histórias pelas quais ficaram conhecidos ou porque os contos não foram tão envolventes quanto se pretendia de início.  Gosto de ser julgado pelas coisas que gosto, então veremos as minhas partes favoritas. :D

Cirilo S. Lemos, -só tenho lido elogios sobre seus trabalhos -, soube muito bem trabalhar o texto dentro de um futuro cyberpunk nas favelas:

“Tubarão passava as festas inteirassem seu divã-móvel, entupindo-se de comida e sendo chupado na Realidade Virtual pelas madames esculpidas em bioplástico ávidas por experiências novas ao som da batida hipnótica de variação neofunk do blend e do suyba.”

Teve espaço para uma homenagem à Amy Winehouse através das palavras de Carolina Munhóz:

“E com 27 anos a rainha do jazz pop deixava o mundo em lágrimas.

Um mundo que tento cuidar dela. Que tentou lhe dar amor.

Mas ela teimava em dizer não.

E não. E não.”

Luiz Bras em sua ficção-científica neurodramática (acabei de criar essa expressão) O índio no abismo sou eu, me encantou:

“Antes eu não era nada, agora sou qualquer coisa que não sei bem o que é. Talvez eu seja só a própria eletricidade atravessando uns poucos neurônios.”

Menção honrosa para o humor estabelecido no conto O cão, que me fez dar boas risadas e ao misterioso O escritório de design probabilístico que soube trabalhar com a tensão sem criar um final tosco para a história. Esperava que a autora Andréa del Fuego estivesse presente no livro, mas a crítica é muito mais simpática para com ela.

No fim o resultado foi bem maior do que alguns consideram, não é uma simples resposta a Revista Granta, mas também uma demonstração do que pode ser produzido e muito bem apreciado fora da ‘literatura’.

Todos os direitos autorais foram cedidos para a ONG Ler é dez, leia favela. Uma salva de palma bem merecida aos autores.

#Especial | Saco De Ossos (Bag of Bones)

O livro

TÍTULO: SACO DE OSSOS

AUTOR: STEPHEN KING

TÍTULO ORIGINAL: BAG OF BONES

PÁGINAS: 392

EDITORA: SUMA DE LETRAS

SKOOB


“Se comparado ao mais tedioso dos seres humanos vagando pela face da terra e projetando sua sombra, o personagem mais brilhante em um romance nada mais é do que um saco de ossos.” – Thomas Hardy, escritor inglês.

A citação anterior foi utilizada por Stephen King para dar título ao seu livro. Fã da literatura inglesa ele criou em Saco de Ossos uma obra-prima sobre luto, segredos e fantasmas.

Lançado em 1998 a narrativa sobre o famoso escritor mainstream Michael Noonan que perde sua amada esposa (grávida) Jo. Preso na dor da perda e em um bloqueio criativo decidi mudar-se para a casa do Lago Sarah Laughs na expectativa de mudanças.

Começa a utilizar seu estoque de romances de gaveta para manter seu nome na lista dos mais vendidos ao mesmo tempo em que conhece a jovem Mattie Devore e sua filha Ki. Apaixonado ele entre na luta pela custódia de Ki enfrentando o sogro de Mattie.

Racismo, estupro e assassinato arrastam Michael junto com o fantasma de Jo e de possíveis traições cometidas por ela. Sara Tidwell, uma cantora desaparecida, também está presente na casa do lago como fantasma residente e conta com a ajuda de um Michael desestabilizado e ameaçado de morte.

É considerado pela maioria (ou não) dos fãs de King – inclusive minha pessoa – como um dos melhores títulos já produzidos por ele.  Jorge Candeias, escritor e tradutor português tem uma opinião muito semelhante a minha: “É um calhamaço de 570 páginas que só melhoraria com menos aí umas 200.” (Falando sobre a edição de Portugal)

Minha teoria geral é que a parte cansativa da obra sintetiza a melancolia e o desenvolvimento que o personagem principal tem que passar para acostumar-se com a viuvez, solidão e sentimento de tristeza mesmo que isso não dissipe a culpa do autor.

Entretanto dos treze títulos que eu já devorei considero esse o melhor. :D

A minissérie

180 minutos de cidadezinha interiorana nos Estados Unidos que sofre de uma maldição e é cercada por segredos. Não é primeira vez que isso acontece com as criações do titio King…

O diretor Mick Garris é o responsável pela adaptação, ele carrega no currículo outros títulos de King como O iluminado, Desespero, Montado na bala e Dança da Morte. Produzido pelo canal A&E ao custo de 15 milhões de dólares e a presença de Pierce Brosnan como Michael Noonan.

A produção lançada diretamente para televisão teve um enfoque fiel ao livro, trabalhando bem e de maneira lenta a dramaticidade que era a essência da obra. Tudo bem que um pouquinho de sustos a mais não faria mal a ninguém e o fim cliché bem que poderia ter um toque de inovação.

Para uma tarde de sábado é bom convite. E como sempre, no final das contas, a gente só pode dizer se valeu a pena depois de ter visto.

Veja o trailer:

#Divulgação | Cena Especial do livro Estátuas de Sal!

Olá Pessoal!

O autor André Cardinalli criou um curta metragem baseado no livro Estátuas de Sal (Resenha) !

Pois é, um curta com atores reais, e filmagens reais! Nada haver com aquelas montagens toscas com cenas de filmes.

Foi tudo realmente F-I-L-M-A-D-O!

E, só para constar, a cena não está no livro, são os personagens da trama, mas é uma cena paralela, uma espécie de “extra”, ou seja, que já leu vai ter algo totalmente novo para conferir!

Sem mais enrolação, assistam e deixem seus comentários aí em baixo!

Fica então essa superdica para vocês!

O livro é incrível, e levanta vários questionamentos interessantes!

Vale muito a pena ler!

#Atualização Literária|Prazeres da Noite, segundo volume da série Dark Hunter

Oi Pessoal!

Vem aí mais um super lançamento da Editora Novo Século.  “Prazeres da Noite” da série Dark Hunter é o segundo volume que está chegando aqui no Brasil. Pra quem não conhece a série, ela é escrita pela autora Sherilyn Kenyon, uma das precursoras em se tratando de romances sobrenaturais. A série Dark Hunters já possui 27 livros publicados e alguns são curtos, contos basicamente. A série também tem muita  mitologia grega, onde encontraremos muitos Deuses gregos entre os personagens das histórias, como  Eros, Psique, Dionísio, Apolo, Afrodite… Além de romances encontraremos muitas lutas e cenas tensas pra fazer os leitores devorarem cada página, rsrsrs…

Confiram a capa e a sinopse:

Sinopse:  Alguma vez você já quis saber como é ser imortal? Partir em jornadas pela noite, perseguindo vampiros que transformam humanos em presas fáceis? Possuir riqueza e poder infinitos? Essa é a minha existência, e ela é obscura e perigosa. Sou herói para milhares, mas não sou conhecido por ninguém. E eu adoro cada segundo disso! Ao menos era o que eu pensava até a noite em que acordei algemado ao meu pior pesadelo: uma mulher certinha, usando uma blusa de botão. Ou, no caso de Amanda, uma blusa abotoada até o queixo. Ela é inteligente, sexy, espirituosa e não quer nem saber do mundo sobrenatural – em outras palavras, de mim. Minha atração por Amanda Devereaux vai contra tudo em que acredito. Sem contar que, da última vez que me apaixonei, isso custou não só minha vida humana, mas também minha própria alma. Ainda assim, toda vez que olho para ela, me pego querendo tentar outra vez. Querendo acreditar que amor e lealdade existem. Ainda mais perturbador que isso: me pego imaginando se há alguma maneira de uma mulher como Amanda amar um homem cujas cicatrizes de batalhas são tão profundas, e cujo coração foi danificado por uma traição tão selvagem, que ele já não sabe se baterá de novo.

Então curtiram? Eu particularmente adorei, pois sou muito fã de séries vamps que com certeza essa joia vale a pena ler!!

Até a próxima e boa leitura!!

Beijokas…

#Resenha | Apaixonados

Se você não leu Fallen, Tormenta ou Paixão, não corra o risco de ser alvejado por spoilers, leia a resenha dos livros anteriores da série (Basta clicar no título):

#01 FALLEN

#02 TORMENTA

#03 PAIXÃO

Se já leu, ou não liga para possíveis spoilers, confira a resenha logo abaixo!


ApaixonadosTÍTULO: APAIXONADOS

AUTORA: LAUREN KATE

TÍTULO ORIGINAL: FALLEN IN LOVE

EDITORA: GALERA RECORD

PÁGINAS: 182

SKOOBhttp://www.skoob.com.br/livro/237333

COMPRE


Sensual e Apaixonante, uma verdadeira Ode ao Amor Eterno…

Os fãs de plantão de Fallen vão encontrar em Apaixonados ainda mais motivos para se agarrarem a série.

O volume extra da saga vem com quatro contos inéditos, todos eles retratando histórias envolvendo alguns pares românticos fofos, hora um pouco cruéis.

Ao contrário do que aparenta logo de cara, os quatro contos não são histórias distintas. Pelo contrário, todos eles acontecem num mesmo período, com algumas idas e vindas ao passado, porém todos os personagens interagem de alguma forma na data presente. O Dia dos Namorados.

Capa 4º e último livro da série, Rapture.

Os mais variados tipos de sentimentos são despertados. O amor entre amigos, a incendiária paixão, o ciúme implacável e, é claro, o Amor Eterno ultrapassador de barreiras.

São quatro histórias curtas, mas que marcarão a vida de seus leitores eternamente.

A HISTÓRIA: “Apaixonados” vem para matar as saudades de quem aguarda o lançamento de Rapture e também para explicar o comportamento de alguns personagens, e aumentar um pouco a bagagem histórica de cada um deles.

Fallen, livro#01

Cada um dos contos retrata um casal diferente, vivendo um amor diferente.

Um deles retrata o florescer do amor em meio a uma forte amizade, outro uma paixão quase esquecida que ameaça ressurgir e ter consequências não tão boas, um terceiro retrata uma forma de amor bem interessante, capaz de causar conflitos imensos. Mas o último é basicamente fruto de todos os outros, e a base de todos os outros. Um resumo simples da essência de cada um deles, para não soltar os tão chatos spoilers.

Lauren Kate continua com seu estilo de narrativa polêmico, capaz de agradar alguns, e obter o desgosto de outros. Repleta de detalhes e sentimentos, a narrativa de Apaixonados, assim como de toda a série Fallen, é sublime e, vista por alguns como cansativa.

Tormenta, Livro #02

Por isso, ao recomendar este, e todos os outros volumes da série, apenas digo: Ao optar por aventurar-se por suas páginas esteja preparado para muito amor, paixão e romantismo, com uma dose agradável de melancolia e suspense.

Mas antes de dizer “Este não é meu tipo de livro”, recomendo que faça o teste… pode se arrepender ou pode se encantar.

Sempre gosto de falar que, de Fallen, ou você ama e se vê totalmente na história, ou não gosta e nunca mais quer ler nada relacionado. Nunca vi leitores que ficam no meio termo.

Paixão, livro #03

E, com a onda de lançamentos de YA’s agitadinhos, cheios de conflitos doidos e lutas, a série de Lauren Kate é perfeita para dar uma assentada nas emoções, e quem sabe, curar algumas ressacas literárias, causadas por essa onda de livros “agitadinhos”.

A CAPA: Não posso nem falar muito, afinal o trabalho da Fernanda Brussi (Brasileira e a simpatia em pessoa) é simplesmente indescritível.

Cada capa consegue retratar o amor e ao mesmo tempo a melancolia que pesa em todos os livros, fato que junto ao acabamento final, fosco e aveludado, torna estes livros verdadeiros sonhos de consumo para os Livromaníacos.

Mais uma vez, parabéns a Brussi, pelo trabalho magnífico. ;*

UMA PALAVRA QUE DEFINIRIA O LIVRO: Tocante.

#SessãoPipoca | 10 filmes para sua lista de “(Não) Quero assistir”

E ai pessoal! Bem-vindos a mais um #SessãoPipoca. A coluna a partir de hoje vai passar por algumas várias mudanças. Antes eu assistia um lançamento e comentava sobre o roteiro, direção de fotografia, direção de arte… Mas enfim, não acho que nenhum de vocês procure um filme porque ele tem uma fotografia boa, porque o cenário é bonito ou porque a trilha sonora é bem feita.

Então a primeira mudança vai ser essa: ao invés de falar sobre um só, vou falar sobre os vários que assisti durante a semana de forma mais sucinta e menos entediante técnica. Essa semana eu estabeleci uma meta de dois por dia (segunda – sexta)  e então aqui temos os dez filmes que fizeram parte da minha semana (na ordem que assisti).

O post ficou um pouquinho grande, eu sei… Lembrando que não sou nenhum crítico e só estou passando a impressão que tive de cada filme. ;)

PS: cliquem na imagem para assistir o trailer no youtube.

#1 – eCupid: Amor em Download

eCupid: Amor em Dowload

“eCupid” é um programa de computador que, como a TekPix ou Bom-Bril, tem várias utilidades. É quando Marshall e sua vida “frustrada” decidem usar o aplicativo para mudar de rumo e tentar coisas novas as coisas complicam. Mas falemos mais sobre Marshall: publicitário numa carreira estagnada, gay, num relacionamento de 7 anos sem diálogos ou sexo com Gabriel. Ao ver a propaganda do eCupid se anima e aceita sem ler os termos de contrato (afinal, quem lê?) e aí o programa invade seu computador e celular, mandando e cancelando mensagens por conta própria, bloqueando e fazendo ligações, marcando compromissos e perguntando coisas como “O que você aprendeu?” A vida de Marshall vira um caos completo que o leva à separação e, ao perceber que nada do que esperava era o que imaginava (porque a grama do vizinho é sempre mais verde), à correr atrás de Gabriel para reatar o namoro e salvar sua profissão.
Minha opinião (se querem saber) é: decepcionante. Era pra ser uma comédia… Era pra ser. As cenas de humor são bem sem graça e o tal do programa é muito “oi, meu nome é Deus”. Ele faz tudo – de verdade, T-U-D-O – para estragar o relacionamento dos dois, e daí surge umas pessoas do nada dando lição e falando sobre as coisas e… Enfim. Não recomendo a não ser que você tenha que se vingar de alguém e não saiba como: eCupid é um bom começo.

#2 – A Casa (Muda ¬¬)

La Casa Muda

Laura é uma garota (que eu achei que tinha uns 17 anos, mas deve ter mais de 20) que vai ajudar seu pai a carpir um terreno de uma casa antiga e abandonada. O dono os deixa com a chave e alguns lampiões (?) e ambos vão dormir… Quer dizer, o pai dela dorme, mas Laura escuta barulhos no andar de cima e não consegue parar quieta. O pai, após ser acordado pela segunda vez, vai checar e puff: vira presunto e de alguma forma vai parar lá embaixo; e pra completar: deixa a chave da casa cair no andar de cima. Agora Laura está presa na casa com sabe-se-lá-o-que, porque sua única saída é destrancar a porta da frente e correr livre leve solta (não, arrombar jamais será uma solução). E então o que ela faz? O que toda pessoa sequestrada por um psicopata deveria fazer: vai atrás da chave no escuro, procurando em cada cantinho abaixada no chão sem nem olhar pra trás e com isso acaba descobrindo a verdade por trás da casa.
Minha opinião: o filme cria uma atmosfera MUITO LEGAL de filme de terror. Quem já jogou Fatal Frame sabe o que esperar de “A Casa”. Um lugar escuro com a câmera (sem cortes de filme) sempre acompanhando ela por onde anda pela casa e fora dela de uma maneira bem “videogame” de ser. Só não criem graaaaandes expectativas pra história, pois ela é bem básica 80% do tempo e no final apresenta algumas informações que não são explicadas e deixam o filme confuso. Recomendo pra quem gosta de terror. Só.
PS: não sei por que não traduziram o nome do filme para “A Casa Muda” ao invés de só “A Casa”. Eu e tradutores de nomes de filmes: ódio eterno.

#3 – Final de Semana

 É possível se apaixonar depois de apenas uma noite? Bem, é mais ou menos isso o enredo do filme. Russel e Glen se conhecem numa boate e, contando todas as passagens do filme, passam um final de semana completo juntos. Apesar de terem opiniões bem diferentes (bem diferentes mesmo) eles acabam se apaixonando. O problema é que Glen está indo para os E.U.A. passar dois anos estudando logo que o final de semana acabar. Com relação ao filme: a história básica dele é bem clichê. O que eu gostei de verdade foram os diálogos que, além de serem bem realistas, em certos pontos discutem coisas que eu nunca tinha pensado antes. “As pessoas se casam por que se amam ou por que a sociedade induz elas a isso?” Parece uma pergunta ridícula, mas se você parar para pensar… Até que faz um pouco de sentido, não? Para quem não está acostumado a assistir filmes com temática gay, pensem duas vezes antes de assistir. É um filme que tem certo apelo sexual (não confunda com pornografia!) e pode… ahm… chocar um pouco quem não está preparado. Enfim… É um filme que eu recomendo não pelo enredo, mas pelos personagens e diálogos. É como um comentário que eu li no Filmow: “Os  personagens são crus. É como se você fosse sair na rua e cruzar com eles em algum momento.”

#4 – W./E. – O Romance do Século

 Eu tenho uma pergunta antes de começar a falar sobre o filme: POR QUE A MADONNA DECIDIU ESCREVER E DIRIGIR PARA CINEMA??? Quem souber me responda. Agradecido. :)
W.E. conta a história de Wally e Edward VIII e de como a duas vezes divorciada conquistou o coração real do sucessor ao trono, se tornando praticamente odiada pela família dele. É sim uma história de amor bonita: o rei que abdicou o trono pela mulher que amava. O problema é que a combinação de um filme de duas horas com tédio absoluto só resultou na minha soneca da tarde. Em paralelo com a história de 1936 colocaram uma outra Wally, casada com um psiquiatra bem-sucedido, mas cujo casamento vai por água abaixo. O que eu entendi foi que a Madonna e o Alek (roteiristas) tentaram fazer como um “…e a história se repete. Não funcionou pra mim. Na verdade o que eu achei é que é um filme sem nenhum diferencial. Ele não tem imagens bonitas como “Kaboom” (que ainda vou falar), nem diálogos bons como “Fim de Semana”; não é engraçado como “Você Deveria Conhecer Meu Filho” (também ainda vou falar aqui)… É uma história bonita, sem dúvidas, mas acho que poderia ser melhor trabalhado. Madonna: como roteirista você é uma ótima cantora, e como diretora uma ótima dançarina.

#5 – Verdade ou Desafio

 STATUS: ainda caçando um filme de terror de verdade.
Pensem num filme com garotas bonitas em vestidos curtos, jovens idiotas que se drogam a cada 5 minutos e um assassino psicopata buscando vingança. É o meu resumo, mas vamos à sinopse: Depois de ser humilhado num jogo de verdade ou desafio, Jonesy tenta se enforcar numa cabana da sua família podre de rica. Em seu aniversário, os “amigos” são chamados para uma festa imaginária onde seu irmão mais velho (que voltou do Afeganistão, onde servia no exército) os recepciona. O psicopata decide então se vingar pelo enforcamento do irmão e descobrir quem foi, de certa forma, “o causador” daquilo, bancando o Jigsaw  jogando uma versão mortal de verdade ou desafio com os jovens. Minha opinião: eu não sei quem eu odiei mais, se foi o assassino ou as vítimas. É bem sem graça e apelativo. Pela sinopse que eu li parecia bem legal, mas não sei por que ainda não entendi que filmes de terror atualmente são uma raridade. A história é bem absurda e o antagonista bem maluco (assim como alguns dos jovens “protagonistas”). Eu particularmente acho filmes que deixam algo a pensar depois muito interessantes, mas Verdade ou Desafio sentiu a necessidade de explicar cada ínfimo detalhe no último segundo, quando eu já estava desejando a morte pra todo mundo e não queria mais saber do que tinha acontecido.

#6 – Você Deveria Conhecer Meu Filho! (“You Should Meet My Son!”, o filme não tem título oficial em português)

 Mae (não, eu não esqueci o acento pois esse é o nome dela) é a típica mãe que quer ver seu filho bem casado e ter netos correndo pela casa. O seu problema começa quando ela descobre que seu filho é gay (sim, mais um filme com temática gay, mas prometo que é o último). Seus planos para o futuro vão por água abaixo e seus típicos jantares para lhe apresentar garotas acabam por aí. Mas afinal, ela ama seu filho como ele é e o deseja feliz com alguém (já que ele terminou seu namoro) e passa então a tentar arranjar um namoradO para ele, seja via internet, seja numa boate LGBT. Minha opinião: h-i-l-á-r-i-o! Eu ria de cada cena com a Mae e a Rose e da forma como elas reagiam ao conhecer desse “novo mundo” a qual nunca sequer cogitaram olhar. As situações que elas se envolvem e as pessoas que elas conhecem são muito engraçadas e o final é divertidíssimo com uma boa lição de amor materno. Não é um filme revolucionário ou qualquer coisa do tipo, mas vale a pena conferir. Não tem nenhum apelo sexual (a cena mais “pervertida” é essa do encarte quando elas encontram o Mr. Stripper), mas ainda lida bem com os clichês do mundo gay, sem variar muito.

#7 – Kaboom

 Pensem num filme nonsense. Kaboom conta a história de um jovem que tem alguns sonhos bizarros com pessoas que ele nunca conheceu. Seu objetivo é descobrir o que aconteceu com a garota ruiva com quem sonhou, depois teve uma alucinação com ela e homens com máscaras de animais e agora ela está misteriosamente desaparecida. Entenderam? É, eu também não muito. Conforme as coisas vão acontecendo, ele descobre e se envolve com uma conspiração e pessoas absurdamente malucas. Não vou contar muito mais para não estragar a história. Minha opinião: eu adorei. Apesar de só ter lido críticas negativas o filme me agradou. Minha impressão é que ele não tenta ter nexo, mesmo porque no começo ele (dentre tantos filmes que poderia fazer referência) mostra cenas de “Um Cão Andaluz”, filme surrealista de Buñuel. Os personagens são tão estranhos (um exemplo: uma amiga que seduz uma bruxa amorosamente apegada) e falam coisas tão malucas que eu depois de um tempo estava aceitando o que viesse. Eu achei, em primeiro momento, que era um filme com uma pegada séria, mas quando acabou (e eu ri muito quando acabou!) eu percebi que não tinha nexo nenhum as coisas pelas quais eles passaram e pensando em tudo que tinha assistido eu ri e ri e ri. Não é um filme pra quem espera uma história bem contada e de final típico, muito menos pra quem espera entender tudo. Talvez vocês mais tarde sintam uma pontada de ódio de mim por isso, mas eu recomendo. :’D

#8 – Dirty Girl

 Dirty Girl conta a vida de Danielle, uma filha de mãe solteira (que quer se casar com um velho muito chato) que é uma “dirty girl” (vadia) numa Oklahoma dos anos 80 (e pra quem conhece um pouco da história dos EUA sabe que Oklahoma e os outros estados sulistas são bem preconceituosos até hoje). Seu desempenho na escola e familiar são tão ruins que o diretor a decide enviar para um grupo que eles chamam de “challengers” mas é mais conhecido como “retards”; seria um grupo de alunos com condições especiais, como uma garota grávida, um punk, ela, um gay, etc. Enfim… Por um acaso, um dia estava em casa com seu colega de projeto e descobre num anuário de sua mãe quem é seu pai biológico e então (após o colega ter uma briga feia em casa) fogem para encontrar o homem e ela se apresentar como a filha que ele abandonou. Confuso? É, eu sei. Não consigo explicar melhor do que isso sem deixar essa sinopse GIGANTE. Mas vamos lá: é um filme bem gostosinho, bem típico dos que passariam na Rede Globo, ou sei lá. E história base é essa que contei, dela procurando o pai, mas várias coisas acontecem na estrada e o final não é bem o que se espera de um filme… Não totalmente pelo menos. Apesar de ser bem (como diria minha mãe) água-com-açúcar é um filme assistível pra quem gosta do estilo. Recomendo.

#9 – Anônimo

 Bem, Anônimo é um filme que levanta uma teoria bem interessante. Shakespeare foi sem dúvida o escritor mais influente de sua geração (seria exagero dizer “do mundo”?), contudo não deixou nenhuma peça escrita de próprio punho, então quem nos garante que ele não era mesmo uma fraude? O filme conta uma história de disputa de tronos e traição, lealdade e de como apenas a palavra pode conquistar público e os incitar à certas coisas. É bem interessante a proposta, contudo se você for meio desatento(a) o filme pode ser bem confuso, pois se passa em quatro linhas de tempo diferentes (atualmente, numa peça chamada “ANÔNIMO”; num ano X; cinco anos antes de X; e, por fim, quarenta anos antes de cinco anos antes de X) que vão se alternando sem aviso e cabe a você determinar qual é qual (o que não é muito difícil se você só reparar que a rainha Elizabeth passará de uma velha decrepita e sonhadora para uma moçoila bonita e bipolar). Também para os apressados de plantão: cuidado pois o filme tem duas horas e dez e você pode acabar entediado. No geral é muito interessante e bem bolado. Eu estava curioso desde que vi o banner no cinema do shopping Center3 e não me decepcionei ao assistir. Eu adoro filmes históricos e com essas coisas de conspirações e tal e Anônimo é um bom exemplo de filme assim.

#10 –  A Delicadeza do Amor

 A Delicadeza do Amor é um filme francês sobre uma mulher que amava muito seu marido, mas acaba o perdendo num acidente. Por ser muito bonita e inteligente ela é quase sempre cantada (ou quase assediada) pelo chefe (que tem uma estúpida crise possessiva e de ciúmes por ela). Contudo nunca se abriu para nenhum amor além do falecido marido. Três anos depois, num ataque sem explicações, ela beija um funcionário muito feio, o que acaba gerando uma série de acontecimentos que vão mudar sua vida. Minha opinião: o filme é legal e tem uma ideia muito boa de mostrar que o amor realmente acontece onde e quando menos se espera, não importando os empecilhos que são colocados entre os amados. Geralmente costumamos ver um casal de modelos fazendo filmes românticos então quando assisti La Délicatesse tive um certo estranhamento (que seria uma outra palavra para “nojo”… não me julguem!!) ao ver a Audrey Tautou beijando o François Damiens; é um casal que não combina em nada e acho que por isso a ideia de “o amor acontece” é bem reforçada. O filme é bem bonitinho no geral e em algumas partes eu ri com as atitudes infantis do Markus. Confesso que eu fiquei meio entediado e comecei a fuçar facebook e twitter e etc. quando cheguei mais pro final, mas enfim… Eu recomendo pra quem gosta do estilo.

E é isso meu povo. O post ficou meio gigante, mas a próxima #SessãoPipoca assim agora só no final de Agosto. Queria que vocês mandassem sugestões de filmes que ouviram ou têm curiosidade (pode até ser pra zuar com a minha cara, manda como sugestão aquele filme mais idiota do mundo que você assistiu com a sua avó num domingo chuvoso) que eu assisto e coloco a mini-resenha aqui. :D

Vou assistir Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge esse sábado (meio atrasado, eu sei) e faço um #SessãoPipoca especial pro Christopher Nolan. ;D Espero que vocês tenham gostado! Deixem seus comentários (por mais sem sentido que sejam) que eu responderei a todos. Se não gostaram desse estilo de post, comentem também, assim posso voltar só pro estilo antigo. Enfim…

Abraços e até a próxima!

#CapasDaSemana | Trilogia Shatter-me & Príncipe Gato

Olá Pessoal!

Para quem já leu ESTILHAÇA-MA da autora Tahereh Mafi, deve ter gostado muito (ou não) da capa com a garota de vestidão e talz.

Porém, para os que ainda não sabem, o padrão de capas foi alterado. Agora, cada uma delas tem um olho totalmente estilizado e, convenhamos, lindo!

Para quem ainda não viu, seguem abaixo!

SHATTER ME
(Estilhaça-me)
Book #01

UNRAVEL ME
(Desvende-me)
Book #02

DESTROY ME
Book #03

E Para não perder o costume, vamos seguir o padrão e mandar uma capa Nacional com um olhar hiper penetrante na capa! Com vocês O PRÍNCIPE GATO, do autor Bento de Lucca!

O Príncipe Gato e a Ampulheta do Tempo

Ok, ainda não acabou! Se você ainda tem um coração intacto aí, confira a ilustração da capa do segundo livro da série Príncipe Gato, que se chamará A Flor-Cadáver.

Príncipe Gato e a Flor Cadáver


Se animou com todas essas belezuras,não é?
Pois se preparem, na próxima semana, capas ainda mais incríveis estarão chegando!
XoXo

#Entrevista | Jim Anotsu


O autor de Annabel e Sarah, que reconhecidamente entrou no mercado editorial com o pé direito agora trabalha em seu próximo romance e nos cede uma entrevista bem animada.

 

Agradecemos a liberdade que você nos dá para esta entrevista e aproveitamos para saber: Quem ou o quê é o misterioso Jim Anotsu? 

Eu sou o cara qualquer que quando anda pela rua vai tropeçando nos seus próprios pés. Minhas roupas não combinam e como canta Cuomo: meus jeans precisam de remendo. Ando com os punhos fundos nos bolsos e tenho mania de colecionar coisas absurdamente inúteis. Sabe, um Alvin de pelúcia fica muito cool na prateleira. Sou viciado em mms verdes. Saio pra caminhar sem rumo para ter idéias e quando elas aparecem é como uma flecha através da cabeça até o cérebro.  Eu nem faço muita coisa além de estudar, escrever e visitar lojas de discos usados pra comprar CDs pra minha coleção. Tenho problemas com as normas fundamentais de interação humana e fico alternando meus sonhos de consumo entre um tapetinho num lugar vazio e alguma outra coisa. Nos fins de semana eu me encontro com meus amigos num posto de gasolina e fico conversando sobre coisas que vão desde Sartre até O Guia do Mochileiro das Galáxias e/ou minhas imitações de Marlon Brando.

 

ANNABEL & SARAH
O Primeiro livro do autor, mas que de primeiro não tem nada.
A Narrativa é tão bem-feita que já pode (deve) ser comparada à um Clássico!

Qual influência da literatura beat em seu modo de escrever?

Foi bem grande. E acho que é uma das chaves pra se entender Annabel & Sarah. Mas não as técnicas de escrita. Não sou louco para tentar emular a prosa-espontânea de Kerouac ou o Cut-up de Bill Burroughs. Mas a maior influência veio do espírito beat (beatnik é ofensivo): A liberdade de fazer o que quiser e buscar alguma coisa que realmente te faça sentir bem. E quando eu comecei a escrever o livro, estava sob influência direta de Kerouac, Ferlinghetti, Corso, Ginsberg e principalmente Neal Cassady que era a alma central de tudo. Aquele que representava o vagabundo iluminado e acabou por ser tornar o Code Pomeray de “Visions of Cody”. Eu não sou mais tão vidrado nessa galera hoje em dia e duvido que no meu próximo trabalho existam muitas referências a isso. Mas foi uma época legal da minha vida.

Você concorda com alguns críticos que afirmam que o livro é a resposta do autor para todos os livros já lidos por ele?

Se não fosse por Robert Louis Stevenson, aos meus quinze anos, eu nunca teria começado a escrever. De certa forma era uma resposta ao trabalho dele.  Escrever é estar na influência, um caso de apropriação e desapropriação de todas as coisas que você leu e a remontagem de tudo aquilo numa visão particular. Gabriel Garcia Marquez decidiu ser escritor em resposta a uma leitura de Kafka. E mesmo um autor que diga estar buscando aquilo que não encontrou em outros livros, está de certa forma reagindo a eles.

 

Como foi escrever Annabel e Sarah?

Eu me lembro de que foi demorada na primeira versão. E dolorosa na segunda, que tinha quase 300 e poucas páginas. Eu tinha um emprego naquela época e eu não era muito feliz lá, o chefe reclamava se a gente não sorria e um monte de outras besteiras. Eu estava no limite entre desistir de escrever, tentar deixar de ser um aluno medíocre e seguir aquilo que eu conhecia desde criança como “O Plano” – estudar, entrar numa boa faculdade, ter uma namorada séria e fazer tudo isso sem maiores incidentes. Eu estava simplesmente cansado de estudar, ter um emprego bem remunerado e queria que tudo explodisse no melhor estilo Trainspotting. Foi aí que eu me demiti e aluguei uma casa onde passei dias escrevendo obsessivamente num quarto fechado com janelas cobertas de papel alumínio. O que era uma loucura levando em consideração que tinha 18/19 anos naquela época. A terceira versão saiu desse período e é essa que vocês podem ler.

IDENTIDADE SECRETA?
Até hoje, ninguém nunca viu Jim Anotsu, cogitam de ele ser um pseudônimo… ou um autor extremamente envergonhado… e agora?
Qual seu palpite?

Porque Fantasia?

Porque eu não tive escolha. A autora de Crepúsculo disse não ter escolhido escrever sobre vampiros, simplesmente aconteceu. A história veio e era assim que eu deveria escrever. Eu não acho que seja possível acordar e decidir algo assim. Você simplesmente deixa a narrativa te guiar. Algumas pessoas se sentem mais a vontade em escrever dramas intimistas e outras adoram cavaleiros em cruzada contra o mal. O importante é se divertir no processo. Ah, e eu sempre quis escrever sobre marsupiais tocando rock.

Como você enxerga o mercado de Literatura Especulativa atual, tanto no exterior como no Brasil?

Tenho gostado até certo ponto. Mas ainda dá pra melhorar muita coisa. Mas o que mais aprecio é que posso ver novos autores ganhando espaço e tentando sair do que já foi explorado. Isso é interessante. E acho muito legal conhecer algumas dessas pessoas. Continuar torcendo. E no exterior a coisa tem uma proporção maior, porque em lugares como E.U.A e  Inglaterra, você já tem um mercado enorme. Em Seattle você tem um museu de sci-fi e pra cada Starbuck você encontra uma livraria com seções disso.

Seus dez livros preferidos em ordem de preferência:

1- A Ilha do Tesouro – Robert Louis Stevenson

2- O Processo – Franz Kafka

3- Visions of Cody – Jack Kerouac

4- Reparação – Ian McEwan

5- Disco Biscuits – Contos – literatura underground irlandeses da década de 90

6-  Crônica da casa assassinada – Lúcio Cardoso

7- As Virgens Suicidas – Jeffrey Eugenides

8 – The Borrible Trilogy – Michael de Larrabeiti

9 – Alice no Espelho – Laura Bergallo

10 – Dois Irmãos – Milton Hatoum

 

Como é sair de um período onde ninguém te conhecia e ir para um segundo momento onde você tem sua obra dissecada pelos mais variados tipos de leitores?

Tão divertido quanto surfar no mar vermelho… E olha que já fiz isso.  Ah, cara, é uma coisa surreal multiplicada aos quadrados e cubos.  É incrível receber todas essas respostas positivas das pessoas mais diferentes possíveis. Já recebi respostas de garotas de 12 anos que amaram, rapazes mais velhos que eu e até mesmo de um dos meus professores de faculdade. Acho que a melhor resposta que tive, foi a cartinha de uma garota de 11 anos me perguntando o que aconteceu com uma personagem depois do fim da narrativa. Ela contava que tinha uma doença bem ruim e que ela queria ser corajosa e esperta como a Annabel. Realmente, foi um dos momentos em que realmente me senti contente por ter escrito o livro.

Fale sobre seu último livro, A morte é legal:

“A Morte é Legal” é quase uma dramédia romântica com elementos de várias outras coisas, você tem uma busca por coisas perdidas, uma dupla de amigos que tenta alcançar seus sonhos – mesmo que isso envolva o maior produtor de hip hop do mundo; amantes desafortunados e pactos com criaturas sombrias e um pouco de literatura policial. Acho que também é a história mais calcada em literatura que já fiz, sendo que é baseada num poema de T.S Eliot e com muitas referências à outros escritores: Wallace Stevens, Sir Philip Sidney e Shakespeare. “Annabel & Sarah” era uma coisa mais juvenil, o meu eu daquela época brincando de misturar coisas. O livro novo tem um pouco disso, mas tem coisas daquilo que eu acabei me tornando um pouco depois e das leituras que fiz depois. Foi a coisa mais difícil que já escrevi e também a mais honesta. Eu sempre pensei na “síndrome do segundo disco” pelas quais algumas bandas passam e por isso eu pensei em como eu queria que o meu “disco novo” seguisse o mesmo espírito de coisas como “Pinkerton” do Weezer ou “Marshall Mathers LP” do Eminem – trabalhos nos quais os artistas deixaram as piadas um pouco de lado em prol de uma faceta mais agressiva e crua. Bem, eu fiz isso, mas mantive minhas piadas e bichos falantes.

E, se você se interessou pelo autor e seu livro, Annabel e Sarah, pode (e deve) conferir a resenha dele que já foi feita aqui no blog! AQUI

Resultado | O Preço de uma Lição

Olá Pessoal!

Quem nos acompanha no facebook, pode conferir a promoção do livro, O PREÇO DE UMA LIÇÃO, da Editora Novo Conceito!

Chegamos às 500 “curtidas”, ou seja, foi a hora de fazer o sorteio.

Só houve um pequeno problema, eu estava sorteando, porém o navegador aqui em casa não estava exibindo os resultados. Isso gerou várias atualizações de página, e novos sorteios. Aí veio o problema em si, depois de algum tempo, o resultado da promoção apareceu e, bom, percebi que os sorteios, além de aparecerem tardiamente, os ganhadores começaram a cobrar o prêmio.

Então, para esclarecer, tenho apenas um exemplar do livro, e ele irá para a primeira sorteada, vejam um print abaixo da tabela de todos os sorteios e, segundo a ordem, o primeiro sorteio foi realizado as 09:08:39 e a ganhadora é Ana Paula Silva II.

Estarei entrando em contato com ela pelo facebook e, caso não obtenha uma resposta em até 24h, o prêmio irá automaticamente para o próximo da lista.

O link do primeiro sorteio já redirecionado:


Um grande obrigado à todos que participaram!

Fiquem atentos!

Logo estará começando a promoção de JULIETA IMORTAL!

Abração, e já desejo boa sorte a vocês!

#Atualização Literária| Tudo o que ela sempre quis

Olá Amigos,

Trago para essa semana um super lançamento da Editora Novo Conceito. “Tudo o que ela sempre quis” é da autora Barbara Freethy que vendeu mais de 2 milhões de livros e chegou ao topo como Autora Best-Seller #1 do  The New York Times, onde construiu uma trama poderosa de suspense e romance. Então sem mais enrolação segue a capa, sinopse, book trailer, ficha técnica dessa joia:

Sinopse:  Ela era a melhor amiga deles, ou assim eles pensavam — até anos mais tarde, quando seus segredos os levam a uma perigosa busca pela verdade sobre quem ela realmente fora… e por que morrera…

Dez anos atrás, em uma festa louca, a linda e estonteante Emily caminhava para sua morte, deixando seus três melhores amigos e suas “irmãs” — Natalie, Laura e Madison — devastados. Nenhum deles esquecera aquela noite — ou o papel que cada um teve na morte de Emily, a culpa que os persegue e a perda que ainda sofrem.

Agora, um escritor desconhecido entra na lista dos livros mais vendidos com um romance similar à história deles. Quem é ele? Como ele sabe os detalhes íntimos de suas vidas? E por que ele está acusando um deles como assassino? Quando eles começam a desvendar a verdade sobre a amiga em comum, irão redescobrir um amor que ela perdeu há muito tempo e descobrir segredos que vão mudar sua vida para sempre…

Book Trailer: 

Ficha Técnica:

Autores: Barbara Freethy
Titulo: Tudo o que ela sempre quis
ISBN: 9788581630205
Selo: NOVO CONCEITO
Ano: 2012
Edição: 1
Número de páginas: 304
Formato/Acabamento: 16x23x2,0
Peso: 0.46 kg
Preço Sugerido: R$ 29.90
Área Principal: FICÇÃO
Assuntos: ROMANCE

Espero que tenham curtido assim como eu a mais esse lançamento incrível da Novo Conceito.

Até mais!!!

Beijinhos…

#Especial | Dia do Amigo

Eles estão lá, para o que der e vier.

Também estão lá, para zoar com a sua cara, e te fazer passar vergonha perto da pessoa por quem você tem aquela quedinha toda especial… #Vish

Também estão lá, para te animar nos momentos depressivos, ou para ficarem horas falando de seus sentimentos e dramas amorosos ou ouvir as suas lamentações.

Amigos na BaladaEstão lá para ir na balada mais cara da cidade…
E também, para se juntarem todos na casa de alguém,  fazer uma vaquinha e usufruir de um bom filme, acompanhado daquela pipoca que estava a uns mil anos guardada no armário, junto com um monte de guloseimas gordurosas e doces.

Quem são “eles”? E não quero com essa pergunta, que você me responda apenas “amigos”, mas sim, que pense no nome e na cara feia de cada um deles. Aqueles companheiros inseparáveis, que você ama irritar, odeia que te irritem, mas leva numa boa por que não vive sem…

E é nesse dia 20 de Julho, que venho aqui parabenizar a todos que conseguiram conquistar o amor de um amigo, que é um dos sentimentos mais difíceis de manter.
Um Friend aceita seus defeitos, mas ao contrário do amor de um namorado(a), ele não os transforma em qualidades, simplesmente os multiplica por um milhão, e usa-os para tirar sarro da sua cara sempre que pode. Tipo, se seu nariz é um pouquinho fora do padrão, seu melhor amigo vai te enxergar como o Pinóquio, após contar umas duas mil mentiras.Forever Friends
Se a sua cabeça é grande, sinto lhe informar, seu amigo vai estar te vendo como uma daquelas bolas gigantes e coloridas que você almejava ter, ou um Boneco de Olinda, ou um Balão de Gás… hehe
Não importa se o seu amigo é virtual, presencial, invisível, de infância ou de um mês atrás, o importante é ter pelo menos um, aquele que você abe que pode contar, sempre, sempre e sempre.
Nas horas boas ou ruins… sempre.

Bom, se você não aproveitou essa sexta para sair com seus amigos para comemorar, bom, provavelmente não mudará em nada a sua vida… pois para amigos de verdade, não importam datas, cada dia é dia de ser amigo, de presentear e de ser companheiro.

Children FriendsPorém, ainda dá tempo de correr lá e mandar um sms, gritar na janela, ligar, mandar recado no face, enviar um pombo correio, sei lá, seja criativo e use a imaginação! Afinal, surpreender um amigo é uma das melhores coisas do mundo todo!

Vale tudo na hora de lembra-lo do quanto ele é importante na sua vida.

Para encerrar, só desejo um Feliz dia do amigo a todos os leitores aqui do blog, que eu amo totalmente.

XOXO

# SextaNoCinema| Valente(Brave)

Olá amigos!

Segue mais um final de semana de lançamentos nos cinemas e trago como destaque o filme “Valente”, o novo longa de animação super esperado para essas férias e que marca a apresentação da primeira protagonista  feminina da Pixar. Filme  inspirado por uma lenda celta, o animado apresentará o estilo sombrio dos contos de fadas dos Irmãos Grimm, além de ser rico em elementos místicos, incluindo um antigo anel de pedras (que existe na Escócia na vida real e é mais velho do que Stonehenge), uma caverna secreta, uma bruxa e de uma criatura amaldiçoada (um urso de 15 metros), nossa fiquei curiosa, rsrsrs…confiram a sinopse:

Sinopse:  A princesa Merida (Kelly Macdonald) vive na Escócia do século 10, e é uma menina selvagem que prefere viver numa casa nas montanhas, em vez do castelo da família. Merida é um pouco alienada de sua família: Rei Fergus (Billy Connolly), a rainha Eleanor (Emma Thompson) e seus irmãos trigêmeos mais jovens.

Confiram também:

Sinopse:  Depois de saírem de uma festa, três colegas de trabalho acabam encurralados, dentro de um caixa eletrônico. Do lado de fora da cabine, um violento desconhecido é uma ameaça aterrorizante e parece disposto a tudo para que a noite deste trio não acabe nada bem. Os três terão que usar todas as suas forças para saírem vivos dessa enrascada, que tem tudo para ser mortal. Do mesmo roteirista – Chris Sparling – de Enterrado Vivo.

Sinopse:  Uma história apimentada e mais moderna do que nunca sobre um industrial que oferece dinheiro a um de seus empregados para que ele se case com sua filha de 17 anos, vítima de uma curra. O rapaz, indeciso entre o enriquecimento fácil e a fidelidade aos seus sentimentos por uma jovem de sua classe social, a qual será envolvida pelo mundo inescrupuloso dos ricaços, desmascara a ingenuidade da menina oferecida.

Sinopse:  Na trama, a escritora de sucesso Bruna Bloch põe em prática um plano inescrupuloso para evitar que tenha uma crise criativa e saia da lista dos mais vendidos: adquirir um chip indutor de descargas de dopamina que, quando implantado no cérebro humano, gera surtos de inspiração. Para isso, ela contrata os serviços do criador desta invenção, Dr. Bartholomeu Bava, que perdeu sua licença médica após um acidente nas pesquisas para criação do chip. Mas Bruna não quer implantá-lo em si mesma, e sim em uma cobaia humana, a simplória garota Cristi.

Sinopse:  ‘Marley’ conta a história da vida do cantor, que morreu há 31 anos. Com hits como “No Woman, No Cry”, ele acabou se tornando um astro internacional. Marley morreu em 1981 em decorrência de um melanoma.

Bom, é isso galera. Espero que tenham curtido os lançamentos, bons filmes e até semana que vem!!!

Beijo, beijo…

#Resenha | Tarântula

Capa - Tarântula - Thierry JonquestTÍTULO: TARÂNTULA

AUTOR: THIERRY JONQUEST

TÍTULO ORIGINAL: MYGALE

PÁGINAS: 160

EDITORA: RECORD

SKOOB: http://www.skoob.com.br/livro/191485


Aterrorizante e cruel. Uma história meticulosamente criada, para arrepiar até o ultimo fio de cabelo e surpreender inclusive o mais sagaz dos leitores.

Ève, Lafargue, Vincent, Alex e Tarântula. Quatro, cinco, ou talvez três personagens. A história deles se confunde, mas ao mesmo tempo é totalmente diferente.

Unidos por um mesmo acontecimento. Presos na mesma teia, sujeitos a se enfrentarem quando menos esperam.

Enquanto uma é obrigada a realizar perversões que fogem do controle, outro vê sua identidade se esvair cada vez mais, e o pior, não pode fazer nada a respeito.

Enquanto um elabora o plano de fuga perfeito, outro vive uma vida dupla, cheia de segredos.

Mas logo, o destino de cada um deles, dependerá das escolhas que o outro tomar.

Cena do Filme

Narrado de forma meticulosa e sagaz. Tarântula é uma armadilha para os leitores, capaz de não apenas prender, como também de sugar todas as suas forças, atando-o até o fabuloso desfecho.

A HISTÓRIA: Thierry Jonquet consegue criar uma história meticulosa e sagaz. Extremamente inteligente.

Um dos pontos mais marcantes de toda a narrativa é com certeza esse:

“Você ia rápido. O vento inflava sua camisa, que estufava e estalava. Insetos esmagavam-se em sua viseira, seu rosto, mas você não sentia mais calor.
Levou tempo até você começar a se preocupar com a presença daqueles dois faróis brancos, esburacando a escuridão no seu encalço. Dois olhos elétricos, apontados para você, implacáveis…”

Neste trecho o autor descreve a fuga de um dos personagens e, bom, faz de um jeito um tanto quanto interessante, afinal, descreve tudo como se estivesse falando DE VOCÊ e COM VOCÊ. Isso deixa o clima do livro muito, muito mais tenso do que seria normalmente e, confesso, eu meio que fiquei cismado enquanto lia essa descrição, que dura em torno de três ou quatro páginas. Ou seja, isso, por si só já gera uns bons momentos de apreensão.

O Restante do livro varia entre as histórias das várias pessoas envolvidas na narrativa e, pouco a pouco, é como se uma aranha invisível fosse interligando os vários fios da teia, dando forma a novela e deixando o leitor cada vez mais “ligado” ao que está acontecendo. Chegando ao ponto de ser impossível interromper a leitura.

E, bom… o Gran-finale vai deixar qualquer um de cabelo em pé, Jonquest foi, não apenas feliz, como incrivelmente sagaz ao terminar o livro. Só posso dizer… é surpreendente, surpreendente, surpreendente.

O FILME: O livro TARÂNTULA, deu origem ao filme A PELE QUE HABITO.

Bom, primeiro, você deve estar se perguntando, que diabos tem haver TARÂNTULA com APQH… Bom.

1)      O livro não tem muito haver com ARANHAS, por isso, se você tem Aracnofobia, não se preocupe, não vão ter trechos que descrevem aranhas saltitando nas páginas. >.<
O significado, na verdade, é bem mais intrínseco, um pequeno detalhe que é revelado logo nas páginas iniciais do romance e, não, você não vai ficar sem dormir a noite. Er… Talvez fique, mas não será por causa da Tarântula. ;*

Capa Filme – A Pele que Habito

2)       O filme foi chamado de A PELE QUE HABITO justamente para evitar esse pequeno engano com aranhas e para o título ficar um pouco mais “comercial”. Porém, existe uma pequena diferença entre o livro e o filme, que foi também essencial para essa diferença de nomes, mas só dá para descobrir lendo E assistindo.

3)      Os personagens não são 100% iguais, temos alguns acréscimos, mas não comprometem muito o desenrolar da história, que é bem parecido com o do filme. Divergindo em alguns pontos apenas.

Ambas as obras são recomendadíssimas, tanto o livro como o filme, pois são de extremo bom gosto e verdadeiras obras-primas.

P.S.: Se você cansou daqueles romances longos, enrolativos e… grossos, aproveite! Tarântula é fininho, com suas 160 página, proporciona uma leitura rápida, mas sem perder o bem-bolado e o suspense.

A CAPA: Ok, não gostei TANTO ASSIM dela, acho que este era um daqueles momentos em que é interessante trocar a capa do livro pela do filme. Porém, ela é uma forma de deixar um pouco mais explícito o assunto que será tratado no livro, no caso a Cirurgia plástica, entre outros assuntos relacionados a esse meio.

Resumindo, não é feia, mas também não é algo que serve como um atrativo para o leitor, não causa tanto impacto quanto deveria.

UMA PALAVRA QUE DEFINIRIA O LIVRO: Inteligente.